BREVE ABORDAGEM SOBRE PROVÉRBIOS ANGOLANOS A PARTIR DA PERSPECTIVA DE WHITNEY E HUMBOLDT

Autores

  • Ezequiel Pedro José BERNARDO Universidade Onze de Novembro

DOI:

https://doi.org/10.5216/lep.v22i2.56548

Resumo

O presente artigo visa verificar nas abordagens dos livros “Linguagem, Literatura, Bildung” (HUMBOLDT, 2006) e “A Vida da Linguagem” (WHITNEY, 2010) aspectos que permitem a compreensão da língua num prisma social, bem como estabelecer uma relação da língua como os provérbios. Verifica-se que a visão de Whitney (2010) motivou uma reviravolta nos estudos da linguagem ao postular que a língua é uma instituição social, ela resulta da conexão de múltiplos itens lexicais que motivam as diferentes mudanças decorrentes de questões históricas que envolvem vontades e sentimentos dos indivíduos. Em Humboldt, a língua é vista como um processo, uma actividade (energia) e não um produto (ergon). Para este, a língua passa de geração em geração e da constituição no seu conjunto permite obter uma visão de mundo, de nação, do espírito do povo. De modo a concretizar o estudo, baseamo-nos em revisão bibliográfica. A concepção de língua apresentada por Whitney (2010) e Humboldt (2006) permite que a relacionamos com o uso dos provérbios como sendo práticas linguísticas e culturais de grupos situados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ezequiel Pedro José BERNARDO, Universidade Onze de Novembro

Mestrando em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina. Bolsista do Programa de Estudantes-Convénio de Pós-graduação (CNPq). Membro do Grupo de Política Linguística Crítica. Docente da Universidade Onze de Novembro, em Cabinda-Angola.

Downloads

Publicado

2019-01-01

Como Citar

BERNARDO, E. P. J. BREVE ABORDAGEM SOBRE PROVÉRBIOS ANGOLANOS A PARTIR DA PERSPECTIVA DE WHITNEY E HUMBOLDT. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Goiânia, v. 22, n. 2, 2019. DOI: 10.5216/lep.v22i2.56548. Disponível em: https://revistas.ufg.br/lep/article/view/56548. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Vozes de África