DO POEMA À CANÇÃO: O LIRISMO COLOQUIAL EM CASTIGO PRO COMBOIO MALANDRO, DE ANTÓNIO JACINTO

Autores

  • Marta de Oliveira Fróis da SILVA Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Elisabeth BATTISTA Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.5216/lep.v20i1.44837

Resumo

Em um contexto de resistência, em 1948, em Angola ainda sob a égide do regime colonial, vários escritores se uniram para se opor ao contexto opressor da colonização por meio do Movimento dos Novos Intelectuais de Angola – o MNIA, tendo como lema o brado “Vamos descobrir Angola”. Entre eles estava António Jacinto e a defesa pela redescoberta da nacionalidade africana com uma identidade angolana própria. António Jacinto escreve o poema “Castigo pro Comboio Malandro” (1961), apresentando na forma e no conteúdo a musicalidade realçando a resistência ao contexto histórico vigente. Através do ritmo, oralidade, musicalidade e de figuras de linguagem o poeta capta os ritmos africanos por meio das pausas intensas e do uso do Kimbundo, língua africana mesclada ao português. Importante ressaltar que este poema foi musicado por Fausto Bordalo Dias em 1974, de forma que os versos de António Jacinto são, constantemente, revisitados pela/na memória do povo angolano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta de Oliveira Fróis da SILVA, Universidade do Estado de Mato Grosso

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Estudos Literários da UNEMAT – Universidade do Estado de Mato Grosso.

Elisabeth BATTISTA, Universidade do Estado de Mato Grosso

Docente no Programa de Pós-graduação em Estudos Literários da UNEMAT – Universidade do Estado de Mato Grosso. Pós-doutoramento pela Faculdade de Letras, da Universidade de Lisboa.

Downloads

Publicado

2017-01-01

Como Citar

SILVA, M. de O. F. da; BATTISTA, E. DO POEMA À CANÇÃO: O LIRISMO COLOQUIAL EM CASTIGO PRO COMBOIO MALANDRO, DE ANTÓNIO JACINTO. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Goiânia, v. 20, n. 1, 2017. DOI: 10.5216/lep.v20i1.44837. Disponível em: https://revistas.ufg.br/lep/article/view/44837. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Textos de autores convidados