“DIVINA COMÉDIA” À BRASILEIRA: A APROPRIAÇÃO DO CLÁSSICO POR LUÍS DILL

Autores

  • Ana Crélia DIAS Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Raquel Cristina de Souza e SOUZA Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5216/lep.v19i1.39886

Resumo

A adaptação de clássicos é um recurso muito produtivo no subsistema literário juvenil e, atualmente, temos observado duas formas distintas de apropriação do cânone: a transposição para outro gênero, como os quadrinhos, e a criação de narrativas originais a partir de um substrato clássico. É deste último que falaremos, a partir do exemplo de “Todos contra Dante” (2008), de Luís Dill, que estabelece uma relação intertextual muito produtiva com a “Divina Comédia”, de Dante Alighieri, afastando-se da concepção difundida de adaptação como mero resumo ou paráfrase. Ao empregar estratégias textuais que borram as fronteiras entre “alta” e “baixa” cultura, a narrativa em questão acolhe em seu interior as expectativas do jovem, respeitando suas referências e gostos, ao mesmo tempo em que o desafia, impondo certas dificuldades que adensam o texto, mas ajudam a construir competências leitoras e a ampliar o repertório cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Crélia DIAS, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Especialista em Literatura Infantil e Juvenil, mestre e doutora em Literatura Brasileira pela UFRJ. Coordena o Núcleo de Estudos Interdisciplinares em Literatura Infantil e Juvenil da UFRJ. É professora da UFRJ.

Raquel Cristina de Souza e SOUZA, Universidade Federal do Rio de Janeiro

É especialista em Literatura Infantil e Juvenil e mestre em Literatura Brasileira pela UFRJ. Leciona Português e Literaturas no Colégio Pedro II e participa do Núcleo Interdisciplinar de Estudos em Literatura Infantil e Juvenil da UFRJ

Downloads

Publicado

2016-02-22

Como Citar

DIAS, A. C.; DE SOUZA E SOUZA, R. C. “DIVINA COMÉDIA” À BRASILEIRA: A APROPRIAÇÃO DO CLÁSSICO POR LUÍS DILL. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Goiânia, v. 19, n. 1, 2016. DOI: 10.5216/lep.v19i1.39886. Disponível em: https://revistas.ufg.br/lep/article/view/39886. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Faces e interfaces da literatura infantil e juvenil