TENNESSEE WILLIAMS E O TEATRO MARGINAL GAY DOI: 10.5216/lep.v18i1.35034

Autores

  • Adriana Falqueto LEMOS Universidade Federal do Espírito Santo
  • Anna Catharina IZOTON Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.5216/lep.v18i1.35034

Resumo

Por meio deste texto busca-se ler o dramaturgo Tennessee Williams e uma peça sua, de duas cenas, publicada no Brasil, no livro “Mister Paradise e outras peças em um ato” (2011), chamada “E Contar Tristes Histórias das Mortes das Bonecas”, a fim de refletir sobre um dos temas recorrentes de sua escrita: a marginalização. Para a análise, usa-se o suporte teórico de Antonio Candido em “Literatura e Sociedade” (2006), no que tange à participação da sociedade e do autor na feitura de um texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Falqueto LEMOS, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Espírito Santo, bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo (FAPES).

Anna Catharina IZOTON, Universidade Federal do Espírito Santo

Estudante de graduação em Letras Português, Universidade Federal do Espírito Santo.

Downloads

Publicado

2015-04-17

Como Citar

LEMOS, A. F.; IZOTON, A. C. TENNESSEE WILLIAMS E O TEATRO MARGINAL GAY DOI: 10.5216/lep.v18i1.35034. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Goiânia, v. 18, n. 1, 2015. DOI: 10.5216/lep.v18i1.35034. Disponível em: https://revistas.ufg.br/lep/article/view/35034. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê temático Literatura, Sociedade e Cultura