Voltar aos Detalhes do Artigo RAPADURA É DOCE, MAS NÃO É MOLE: UM ESTUDO DAS RELAÇÕES RETÓRICAS DOI: 10.5216/lep.v15i2.25121 Baixar Baixar PDF