Avaliação biométrica de Biomphalaria spp. (Preston, 1910) no município de Juiz de Fora, MG

Autores

  • Sandra Helena Cerrato Tibiriçá
  • Elizabeth Cristina Almeida Bessa
  • Elaine Soares Coimbra
  • Izabella de Oliveira Pinheiro
  • Oscarina da Silva Ezequiel

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpt.v38i1.6221

Palavras-chave:

Biomphalaria, Biometria, Peso, Diâmetro, Juiz de Fora.

Resumo

As dimensões corporais são medidas utilizadas para a identificação e caracterização dos indivíduos das mais variadas espécies e podem ser avaliadas em indivíduos parasitados ou não quanto às respostas somáticas específicas. Este estudo trata da avaliação biométrica de 1.129 moluscos do

gênero Biomphalaria, coletados no município de Juiz de Fora, Minas Gerais, no ano de 2004. Foram coletados: 360 espécimes de B. straminea e analisados 215; 255 espécimes de B. peregrina e analisados 196; 1.550 espécimes de B. tenagophila (espécie mais prevalente na região) e analisados 718. Os moluscos capturados foram secos, pesados e medidos vivos; os moluscos mortos foram desprezados. As variáveis peso e diâmetro foram avaliadas por espécie e de forma independente e correlacionada. Estatisticamente, os estudos das variáveis diâmetro e peso revelaram que as menores médias biométricas foram evidenciadas pela espécie B. peregrina, seguida por B. straminea. Todas as espécies apresentaram diâmetro máximo das conchas cerca de 50% mais baixo do que os maiores diâmetros descritos na literatura. Verificou-se forte correlação positiva entre as variáveis peso (massa corpórea) e diâmetro (tamanho da concha) nas três espécies de Biomphalaria analisadas, o que fornece sólida base para se estabelecer consistente correlação direta entre estes parâmetros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-05-11

Como Citar

TIBIRIÇÁ, S. H. C.; BESSA, E. C. A.; COIMBRA, E. S.; PINHEIRO, I. de O.; EZEQUIEL, O. da S. Avaliação biométrica de Biomphalaria spp. (Preston, 1910) no município de Juiz de Fora, MG. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, Goiânia, v. 38, n. 1, p. 52–62, 2009. DOI: 10.5216/rpt.v38i1.6221. Disponível em: https://revistas.ufg.br/iptsp/article/view/6221. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES