EPIDEMIOLOGIA DO VÍRUS DO DENGUE EM SÃO LUÍS, MARANHÃO, NO PERÍODO DE 2002 a 2012

Autores

  • Ana Cláudia Pinho de Carvalho Programa de Mestrado em Biologia Parasitária da Universidade Ceuma (UNICEUMA), São Luís, Maranhão, Brasil.
  • Fernando Couto Portela Curso de Graduação em Medicina da UNICEUMA, São Luís, Maranhão, Brasil.
  • Thiago Azevedo Feitosa Ferro Programa de Mestrado em Biologia Parasitária da Universidade Ceuma (UNICEUMA), São Luís, Maranhão, Brasil. e Universidade Federal do Maranhão, Programa de Pós-graduação Renorbio, São Luís, Maranhão, Brasil.
  • Maria Rosa Quaresma Bomfim Programa de Mestrado em Biologia Parasitária da Universidade Ceuma (UNICEUMA), São Luís, Maranhão, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpt.v45i3.43503

Palavras-chave:

Aedes aegypti, Dengue, incidência, vigilância epidemiológica.

Resumo

O presente estudo teve por objetivo relacionar a incidência do dengue com variáveis demográficas, temporais e meteorológicas, a fim de identificar as áreas com as mais elevadas incidências e determinar os sorotipos mais prevalentes, no período de 2002 a2012, no Município de São Luís, MA. Os dados foram extraídos dos boletins dos casos de dengue até então notificados, disponíveis na Secretaria Municipal de Saúde e Vigilância Epidemiológica e Sanitária do Município de São Luís, MA. Foi calculada estatística descritiva para todas as variáveis relevantes, como idade, sexo, condições climáticas, distribuição dos sorotipos e índice de infestação predial (IIP) pela larva de Aedes aegypti. Um total de 21.986 casos de dengue foi notificado ao Sistema de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde e Vigilância Epidemiológica de São Luís, MA, o que correspondeu a 34,3% dos casos notificados no estado do Maranhão durante o período estudado.

A faixa etária mais atingida foi a de 20 a49 anos, sem predomínio de sexo. A correlação entre os casos de dengue registrados e as condições meteorológicas, como pluviosidade, temperatura e umidade do ar, mostrou que a incidência de casos flutuou com essas variáveis climáticas. Assim, verificou-se ter ocorrido um aumento de casos de dengue durante o primeiro semestre dos anos estudados, que corresponde ao período chuvoso e de elevação de temperaturas, ao passo que, em intervalos de estiagem, a tendência foi de queda (meses de julho a dezembro). Nas mesmas condições, verificou-se um aumento da forma grave do dengue, como a febre hemorrágica do dengue, em população previamente exposta aos sorotipos 1, 2 e 3. O IIP pelo A. aegypti foi maior no período de2001 a 2007 e no ano de 2011. Nos anos em que foi registrada elevação dos índices de IIP, ocorreram os números mais elevados de casos de dengue no município de São Luis, MA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-09-30

Como Citar

PINHO DE CARVALHO, A. C.; COUTO PORTELA, F.; AZEVEDO FEITOSA FERRO, T.; QUARESMA BOMFIM, M. R. EPIDEMIOLOGIA DO VÍRUS DO DENGUE EM SÃO LUÍS, MARANHÃO, NO PERÍODO DE 2002 a 2012. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, Goiânia, v. 45, n. 3, p. 243–255, 2016. DOI: 10.5216/rpt.v45i3.43503. Disponível em: https://revistas.ufg.br/iptsp/article/view/43503. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES