ATIVIDADE AMEBICIDA E CITOTÓXICA DO EXTRATO AQUOSO DE PRÓPOLIS VERDE CONTRA TROFOZOÍTOS E CISTOS DE ACANTHAMOEBA CASTELLANII

Autores

  • Carla de Magalhães Karusky Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia (DEMIP), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Amanda Carvalho Ribeiro Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia (DEMIP), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Thais Esther Teixeira Nunes Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia (DEMIP), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Gilsane Lino Von Pose Departamento de Produção de Matéria-Prima, Faculdade de Farmácia, UFRGS, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Marilise Brittes Rott Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia (DEMIP), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpt.v44i3.38020

Palavras-chave:

Acanthamoeba castellanii, própolis, atividade amebicida

Resumo

O gênero Acanthamoeba pertencente ao grupo das amebas de vida livre e é amplamente distribuído no ambiente. Estes protistas são conhecidos por causarem doenças graves, como a Encefalite Amebiana Granulomatosa em pacientes imunocomprometidos e ceratite amebiana, especialmente em usuários de lentes de contato imunocompetentes. Própolis verde é uma substância resinosa e balsâmica, conhecida na medicina alternativa por exibir várias atividades biológicas. Neste estudo avaliou-se a atividade amebicida de um extrato aquoso de própolis verde contra trofozoítos e cistos de A. castellanii. Nas concentrações de 10 e 20 mg/mL, o extrato foi capaz de inativar 100% de trofozoítos no prazo de 24 horas e 48 horas, enquanto a uma concentração de 5 mg/mL 100% dos trofozoítos foram inativados em 72 horas. Os cistos foram inativados após 24 horas de exposição ao extrato à concentração de 40 mg/mL. O efeito do extrato foi avaliado sobre células HCE (epiteliais de córnea humana), empregando-se ensaio de viabilidade baseado na redução do sal de tetrazólio MTT. O extrato não apresentou efeito citotóxico significativo sobre as células HCE, nas concentrações de 0,312, 0,625, 1,25 e 2,5 mg/mL. O teste de adesão realizado mostrou que a fixação de Acanthamoeba a células HCE apresenta comportamento dose- dependente em relação ao extrato de própolis. Assim, este estudo demonstrou a eficácia da própolis verde contra trofozoítos e cistos de Acanthamoeba e provou ser uma substância promissora especialmente para a formulação de soluções para desinfecção de superfícies. No entanto, mais estudos são necessários para entender seu mecanismo de ação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

KARUSKY, C. de M.; RIBEIRO, A. C.; NUNES, T. E. T.; VON POSE, G. L.; ROTT, M. B. ATIVIDADE AMEBICIDA E CITOTÓXICA DO EXTRATO AQUOSO DE PRÓPOLIS VERDE CONTRA TROFOZOÍTOS E CISTOS DE ACANTHAMOEBA CASTELLANII. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, Goiânia, v. 44, n. 3, p. 283–294, 2015. DOI: 10.5216/rpt.v44i3.38020. Disponível em: https://revistas.ufg.br/iptsp/article/view/38020. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES