ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA CISTICERCOSE ENCEFÁLICA E CARDÍACA EM INDIVÍDUOS AUTOPSIADOS

Autores

  • Ruy de Souza Lino Junior IPTSP
  • Marina Clare Vinaud
  • Juliana Sayuri Sugita
  • Lorena Dourado Alves
  • Marlene Antônia dos Reis
  • Vicente de Paula Antunes Teixeira

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpt.v33i3.3459

Resumo

A cisticercose humana é uma infecção causada pela forma metacestódea da Taenia solium. A localização e o tamanho dos cisticercos são importantes por influenciar nas alterações teciduais e clínicas. Assim o objetivo deste estudo foi avaliar a medida dos cisticercos encefálicos (CE) e cardíacos (CC) obtidos de autópsias. Analisaram-se, por meio da morfometria computadorizada, a área total e os diâmetros maior e menor dos CEs e CCs obtidos de autópsias realizadas no Hospital Escola da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, em Uberaba-MG. De 2.218 autópsias feitas no período de 1970 a 2002, encontrou-se cisticercose em 71(3,2%). O folheto mais atingido na CC foi o do endocárdio (41,4%), parte que se mostrou acometida pela fibroelastose. A localização mais frçqüente da CE foi a méningocortical, com 62,5%, e observou-se nessa área a leptomeningite focal, além da compressão do tecido adjacente à implantação dos cisticercos. Avaliaram-se dezessete CCs, que apresentaram área total com mediana de 54,9 mm2, e dezesseis CEs, cuja área total revelou uma mediana de 40,40 mm2. Conclui-se que os CEs foram significativamente menores que os CCs.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-03-07

Como Citar

LINO JUNIOR, R. de S.; VINAUD, M. C.; SUGITA, J. S.; ALVES, L. D.; REIS, M. A. dos; TEIXEIRA, V. de P. A. ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA CISTICERCOSE ENCEFÁLICA E CARDÍACA EM INDIVÍDUOS AUTOPSIADOS. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, Goiânia, v. 33, n. 3, p. 313–318, 2008. DOI: 10.5216/rpt.v33i3.3459. Disponível em: https://revistas.ufg.br/iptsp/article/view/3459. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES