CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DO BÓCIO ENDÉMICO NO ESTADO DE GOIÁS. ANÁLISES DE IODATO DE POTÁSSIO EM AMOSTRAS DE SAL DE COZINHA

Autores

  • Sydney Schmidt
  • Alberto José Centeno
  • Ranulfo Reinaldo de Lima

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpt.v3i2.22606

Resumo

O Bócio Endémico no Estado de Goiás ocorre em alta prevalência e grande é o número de formas cretínicas,
casos de déficit físico-mental, imbecilidade e surdo-mudez.
Desde 1953 existe no Brasil lei que obriga a iodatação do sal de cozinha para uso alimentar nas regiões onde a prevalência seja superior a 15%.
No Estado de Goiás em 1956 a prevalência era da ordem de 34%. Análises do teor de iodato de potássio em amostras de sal de cozinha realizadas pelo DNERu nos anos de
1963, 1964 e 1967 mostraram que apenas 13,51% se encontravam dentro dos limites da normalidade.
Em 1968 inquérito realizado apenas na cidade de Goiânia, constatou prevalência de 33,85% entre 1.046 escolares
examinados.
Neste trabalho, os autores realizaram análises de 150 amostras de 25 marcas comerciais diferentes verificando que 13 marcas apresentaram valores O (zero) em pelo menos uma amostra além do que nenhuma delas se manteve dentro dos limites estabelecidos por lei, (17,8 e 28,5 mg/kg).
Verificaram ainda que exceto 4 marcas, todas atingiram o valor O (zero) no limite inferior ou valores excessivamente altos no limite superior, demonstrando que além de não cumprimento
da iodatação as indústrias não possuem controle de qualidade do produto posto à venda.
Admitindo a eficiência do método profilático, os autores concluem que o Bócio Endémico continuará grassando
com alta prevalência no Estado de Goiás se não forem tomadas outras medidas na prevenção dessa endemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

SCHMIDT, S.; JOSÉ CENTENO, A.; REINALDO DE LIMA, R. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DO BÓCIO ENDÉMICO NO ESTADO DE GOIÁS. ANÁLISES DE IODATO DE POTÁSSIO EM AMOSTRAS DE SAL DE COZINHA. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, Goiânia, v. 3, n. 2, 2007. DOI: 10.5216/rpt.v3i2.22606. Disponível em: https://revistas.ufg.br/iptsp/article/view/22606. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES