Frequência de Blastocystis hominis e outras enteroparasitoses em amostras fecais analisadas no Laboratório de Parasitologia da Faculdade de Medicina de Marília-SP

Autores

  • Luciamáre Perinetti A. Martins
  • Andréia Aparecida T. B. Serapião
  • Rosângela Frediano Valenciano
  • José Eduardo C. Pires Eduardo C. Pires
  • Roberto Esteves P. Castanho

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpt.v36i1.1815

Resumo

Com o objetivo de avaliar a freqüência de Blastocystis hominis, parasito há pouco tempo reconhecido
como protozoário, foram submetidas a exame amostras fecais de 6.559 pacientes encaminhados ao
laboratório de Parasitologia da Faculdade de Medicina de Marília. Foram utilizados os métodos de
Faust, Kato-Katz, Rugai e direto, encontrando-se 1.097 (16,7%) amostras positivas para B. hominis,
entre as quais as maiores porcentagens referem-se às faixas etárias acima de 7 anos com uma diferença
estatisticamente significativa em relação aos pré-escolares (p< 0,0001). Outras parasitoses também
foram consideradas: Giardia duodenalis foi o outro parasito mais freqüente (5,6%), principalmente
em crianças até 6 anos; Strongyloides stercoralis e Trichuris trichiura foram, significativamente, mais
freqüentes que as demais helmintíases. Os resultados mostram a situação das parasitoses intestinais
em nossa região, destacando-se a elevada porcentagem de exames positivos para B. hominis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-10-03

Como Citar

MARTINS, L. P. A.; SERAPIÃO, A. A. T. B.; VALENCIANO, R. F.; PIRES, J. E. C. P. E. C.; CASTANHO, R. E. P. Frequência de Blastocystis hominis e outras enteroparasitoses em amostras fecais analisadas no Laboratório de Parasitologia da Faculdade de Medicina de Marília-SP. Revista de Patologia Tropical / Journal of Tropical Pathology, Goiânia, v. 36, n. 1, 2007. DOI: 10.5216/rpt.v36i1.1815. Disponível em: https://revistas.ufg.br/iptsp/article/view/1815. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES