Análise da Influência da Formação de Ensino Médio no Desempenho Acadêmico de Estudantes de Engenharia

Authors

  • Carlos Alexandre Gouvea da Silva Universidade Federal do Paraná
  • Rafaela Ukrainski Tosta de Lima Faculdade Educarional Araucária
  • Zayon Marcelo de S. Oliveira Faculdade Educacional Araucária
  • Alexandre Wagner Padilha Faculdade Educacional Araucária
  • Edson Leonardo dos Santos Universidade Federal do Paraná
  • Horácio Tertuliano dos Santos Filho Universidade Federal do Paraná
  • Carlos Marcelo Pedroso Universidade Federal do Paraná

Abstract

Tradicionalmente, estudantes de engenharia apresentam variado desempenho acadêmico no decorrer de seus cursos. Esse desempenho acadêmico influencia diretamente na sua formação profissional como futuro engenheiro, tanto na prática ou como formador e pesquisador de conhecimento técnico. No primeiro ano de curso de engenharia, observa-se que o rendimento dos estudantes está parcialmente relacionado à sua jornada de trabalho diária, tempo para estudo, facilidade de cognição, afinidade com a área de estudo, entre outros aspectos. Este artigo analisa as diferenças de desempenho entre os alunos que possuem como formação anterior o curso técnico ou somente ensino propedêutico. Foi analisado o perfil de alunos de quatro cursos de engenharia que concluíram o primeiro ano de estudos em uma instituição privada e outro de um curso de engenharia em instituição pública. A partir dos resultados foi possível identificar que alunos egressos de curso técnico possuem um rendimento positivamente melhor em relação aos seus colegas egressos do ensino médio propedêutico.

Author Biographies

Carlos Alexandre Gouvea da Silva, Universidade Federal do Paraná

Carlos Alexandre Gouvea da Silva natural de Antonina, PR é Engenheiro de Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) em 2012, Mestre em Engenharia Elétrica em 2015 e atualmente doutorando também em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), sendo também representante efetivo dos discentes no programa de pós-graduação (2016-2017). Faz parte do grupo de pesquisas de processamento/transmissão da informação e laboratório de sistemas de comunicação (LABSIC) no departamento de engenharia elétrica da UFPR.  É membro da Sociedade Brasileira de Telecomunicações (SBrT) e Student Member da Institute of Electrical and Electronics Engineers IEEE, região Latin America. Possui experiências em engenharia, teste e qualidade de softwares, onde também pode lecionar em cursos superiores de engenharia. Suas principais áreas de interesse são telecomunicações, redes de computadores, transmissão e codificação de vídeo, educação e qualidade de ensino em engenharias.

Rafaela Ukrainski Tosta de Lima, Faculdade Educarional Araucária

Rafaela Ukrainski Tosta de Lima – natural de Irati-PR, é graduanda em Engenharia Civil, pela Faculdade Educacional de Araucária (FACEAR) e graduanda em Física, pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Principais áreas de interesses são construção Civil, educação e metodologias de ensino em engenharia.

Zayon Marcelo de S. Oliveira, Faculdade Educacional Araucária

Zayon Marcelo de Souza Oliveira – natural de Telêmaco Borba PR, é Técnico em mecânica em 2013 pelo SENAI-PR (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Paraná) e graduando em Engenharia de Produção pela Faculdade Educacional Araucária (FACEAR). Em 2013 atuou no setor de manutenção mecânica em uma indústria química onde no mesmo ano passou a atuar na área de produção no qual está até hoje.

Alexandre Wagner Padilha, Faculdade Educacional Araucária

Alexandre Wagner  Padilha – natural de Curitiba-PR é graduado em Desenho industrial - Projeto de Produto pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), em 2006. Pós-graduado com Especialização em Educação (Docência do Ensino Superior). Atualmente é docente da Faculdade Educacional Araucária atuando nos cursos de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia e no SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, atuando nos cursos de formação técnica. Suas principais áreas de interesse são desenvolvimento de produtos, equipamentos e serviços, bem como a educação interdisciplinar e transdisciplinar no ensino superior e técnico, qualidade de ensino e métodos de aprendizagem em engenharias, cursos técnicos e tecnologias.

Edson Leonardo dos Santos, Universidade Federal do Paraná

Edson Leonardo dos Santos é formado Técnico em Eletrônica pelo SENAI (2007), possui graduação em Engenharia da Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR (2012) e mestrado em Engenharia Elétrica (especialidade Microeletrônica) pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (2015). Atualmente é aluno de doutorado na UFPR e professor no SENAI. Membro do grupo de concepção de circuitos e sistemas integrados GICS - UFPR (gics-ufpr.weebly.com). Tem experiência na área de automação industrial e engenharia da computação, com ênfase em sistemas computacionais, eletrônica digital, sistemas embarcados e microcontroladores.

Horácio Tertuliano dos Santos Filho, Universidade Federal do Paraná

Horácio Tertuliano dos Santos Filho, Professor Titular e diretor geral do Setor de Tecnologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR). É Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná em 1985 (UTFPR), possui especialização pela Universidade de Brasília em 1989, Mestrado pela Universidade da Bretagna Occidental – França em 1990, Doutorado pela Universidade de Bordeaux I em 1994 e Pós-doutorado pela Universidade de Montreal onde toda a sua formação deu-se em Telecomunicações.

Carlos Marcelo Pedroso, Universidade Federal do Paraná

Carlos Marcelo Pedroso recebeu seu Bacharel em Engenharia da Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), em 1994, e seu Doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), em 2006. Está atualmente no Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Seus interesses de pesquisa incluem a comunicação de dados, modelagem e avaliação de desempenho, sistemas multimédia, tecnologias de Internet e a qualidade do ensino de engenharia.

References

M. A. Barreto, T. Aiello-Vaisberg, “Escolha profissional e dramática do viver adolescente”. Psicologia & Sociedade, vol. 19, no. 1, 2007, pp. 107-114.

BRASIL. CNE/CEB - Conselho Nacional de Educação - Câmara de Educação Básica. Atualiza Diretrizes Curriculares Nacionais definidas pelo Conselho Nacional de Educação para o Ensino Médio e para a Educação Profissional Técnica de nível médio às Disposições do Decreto nº 5.154/2004. Resolução CNE/CEB Nº 1, de 03 de Fevereiro de 2005.

V. F. DE Oliveira, “Crescimento, evolução e o futuro dos cursos de Engenharia”. Revista de Ensino de Engenharia, vol. 24, no. 2, 2008.

MEC. Ministério da Educação. Disponível em < http://emec.mec.gov.br/ >. Acesso em 27 de fevereiro de 2016.

P. A. M. M. Nascimento, D. A. Gusso, A. N. Maciente, T. C. Araujo, A. P. T. Silva, “Escassez de Engenheiros: realmente um risco?” Repositório do Conhecimento do IPEA, 2010.

D. P. Pinto, J. C. da S. Portela; V. F. de Oliveira, “Diretrizes curriculares e mudança de foco no curso de Engenharia”. Revista de Ensino de Engenharia, vol. 22, no. 2, 2003, pp. 31-37.

BRASIL. CNE/CES - Conselho Nacional de Educação - Câmara de Educação Superior. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. Resolução CNE/CES Nº 11, de 11 de Março de 2002.

C. M. Pedroso, “Understanding the cumulative effects of learning on the quality of engineering programs”. International Journal of Electrical Engineering Education, vol. 52, no. 2, 2015, pp. 99-110.

J. A. C. Oliveira. “Qualidade de vida e Desempenho Acadêmico de graduandos”. Tese de doutorado, Doutorado em Educação. Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

N. M. Luiz; A. F. da Costa; H. G. da Costa, “Influência da graduação em Engenharia de Produção no perfil dos seus egressos: percepções discentes”. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), vol. 15, no. 1, 2010, pp. 101-120.

V. Novicki, W. R. C. Gonzalez, “Competências e meio ambiente: uma análise crítica dos referenciais curriculares da Educação Profissional de nível técnico”. Ambiente & Educação, vol. 8, 2003.

M. N. M. Nascimento, “Ensino Médio no Brasil: determinações históricas”. Publicatio UEPG: Ciências Sociais Aplicadas, vol. 15, no. 1, 2009.

M. Ciavatta, M. Ramos, “Ensino Médio e Educação Profissional no Brasil: dualidade e fragmentação”. Retratos da Escola, vol. 5, no. 8, 2012, pp. 27-41.

M. Sparta, W. B. Gomes, “Importância atribuída ao ingresso na educação superior por alunos do Ensino Médio”. Revista Brasileira de Orientação Profissional, vol. 6, no. 2, 2005, pp. 45-53.

S. R. Mendes, “Cursos Técnicos pós-médios: análise das possíveis relações com o fenômeno de contenção da demanda pelo ensino superior”. Educação e Saúde, vol. 1, no. 2, 2003, pp. 267-287.

H. Pires, I. Fialho, J. Saragoça, J. Bonito, “Perspectivas dos Estudantes sobre a Qualidade do Ensino às: Um Estudo Exploratório nas Instituições do Ensino Superior do Alentejo”. Repositório Universidade de Évora, 2008.

E. M. Fernandes, L. S. Almeida, “Expectativas e vivências acadêmicas: Impacto no rendimento dos alunos do 1º ano”. Repositório Universidade do Minho, 2005.

L. Darling-Hammond, “Teacher quality and student achievement”. Education policy analysis archives, vol. 8, 2000, pp. 1.

T. A. Baccaro, G. T. Shinyashiki, “Relação entre desempenho no vestibular e rendimento acadêmico no ensino superior”. Revista Brasileira de Orientação Profissional, vol. 15, no. 2, 2014, pp. 165-176.

V. V. Gouveia, D. M. F. Sousa, P. N. Fonseca, R. S. V. Gouveia, A. I. A. S. B. Gomes, R. C. Rodrigues. “Valores, metas de realização e Desempenho Acadêmico: proposta de modelo explicativo”. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar, vol. 14, 2010, pp. 323-331.

D. Grant, “Grades as information”. Economics of Education Review, vol. 26, no. 2, 2007, pp. 201-214.

D. Ristoff, A. Limana. “O ENADE como parte da avaliação da educação superior”. Disponível em http://www.inep.gov.br/im-prensa/artigos/enade. Acesso em 05 de julho de 2016, vol. 23, 2007, pp. 05-06.

C. M. M. Vendramini, A. A. Santos, S. A. J. Polydoro, “Construção e validação de uma escala sobre avaliação da vida acadêmica (EAVA)”. Estudos de Psicologia, vol. 9, no. 2, 2004, pp. 259-268.

G. L. Filho, I. Santos, G. Ramos, W. Martins. “Diferenças entre os alunos oriundos do Ensino Médio propedêutico e do Ensino Técnico integrado ao Ensino Médio quando ingressam na universidade”. XLII Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia – COBENGE 2014. Juiz de Fora-MG. 2014.

Francisco Peixoto, “Qualidade das relações familiares, auto-estima, autoconceito e rendimento acadêmico”. Análise Psicológica, vol. 22, no. 1, 2004, pp. 235-244.

L. S. Almeida, A. P. Soares, M. A. Guisande, J. Paisana. “Rendimento académico no Ensino Superior: Estudo com alunos do 1º ano”. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía y Educación, 2007, pp. 207-220.

S. C. Monteiro, L. da S. Almeida, R. M. de C. F. Vasconcelos, “Abordagens à aprendizagem, autorregulação e motivação: convergência no Desempenho Acadêmico excelente”. Revista Brasileira de Orientação Profissional, vol. 13, no. 2, 2012, pp. 153-162.

A. M. Monteiro, C. M. Gonçalves, “Desenvolvimento vocacional no ensino superior: Satisfação com a formação e Desempenho Acadêmico”. Revista Brasileira de Orientação Profissional, vol. 12, no. 1, 2011, pp. 15-27.

S. G. Baptista, M. B. Cunha, “Estudo de usuários: visão global dos métodos de coleta de dados”. Perspectivas em ciência da informação, vol. 12, no. 2, 2007, pp. 168-184.

Published

23-08-2017