DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO USO E OCUPAÇÃO DAS TERRAS ENTRE OS ANOS DE 2010 A 2015 NO CÓRREGO MATRIZ, CACHOEIRA-ALTA, GOIÁS, BRASIL

Resumo

Atualmente observa-se que o ser humano utiliza os espaços segundo suas necessidades e seus valores individuais ou coletivos, o que afeta o equilíbrio dinâmico da natureza. Nesse sentindo, existe uma necessidade em encontrar explicações e soluções por parte de pesquisadores para os impactos que são gerados diante das intervenções do homem ao meio ambiente. Com isso, o trabalho tem como objetivo principal, identificar as principais atividades antrópicas na bacia hidrográfica do Córrego Matriz no período de 2000 a 2015, e seus possíveis reflexos ao meio ambiente. Pode-se destacar nos mapas de uso e ocupação da terra, no período de quinze anos, que a pastagem é o uso predominante nas áreas ocupadas da bacia. Apesar de apresentar-se um acréscimo dos remanescentes florestais (matas/cerrado) nos últimos anos, principalmente junto aos locais de nascentes, a intensificação da pecuária vem se tornando as causas dos principais impactos ambientais na área de estudo, como feições erosivas e assoreamento dos cursos d’água.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Lei Nº 12.651, de 25 de Maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Presidência da República. Disponível em:< http://www.botuvera.sc.gov.br/wp-content/uploads/2014/09/Lei-12651-2012-C%C3%B3digo-Florestal.pdf >. Acesso em: 22 mar. 2016.

BRASIL. Lei Nº18.104. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Governo do Estado de Goiás. Disponível em:< http://supremoambiental.com.br/wp-content/uploads/2014/08/Lei-n.-18.104-GOI%C3%81S-2013-Novo-C%C3%B3digo-Florestal-de-Goi%C3%A1s.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2016.

________. Lei Nº18.104, de 18 de julho de 2013. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa, institui a nova Política Florestal do Estado de Goiás e dá outras providências. Governo do Estado de Goiás. Disponível em:< http://www.gabinetecivil.go.gov.br/leis_ordinarias/2013/lei_18104.htm>. Acesso em: 12 Nov. 2016.

________. Lei Nº18.104. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Governo do Estado de Goiás. Disponível em:< http://supremoambiental.com.br/wp-content/uploads/2014/08/Lei-n.-18.104-GOI%C3%81S-2013-Novo-C%C3%B3digo-Florestal-de-Goi%C3%A1s.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2016.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação, uso potencial da terra. Folha SD.22 Goiás. Rio de Janeiro: 1982.

BRAGA, C. de C. Distribuição espacial e temporal de sólidos em suspensão nos afluentes e reservatório da Usina Hidrelétrica Barra dos Coqueiros – GO. 74f. Dissertação de Mestrado, Jataí 2012.

FIDALSKI, J. Qualidade física de Latossolo Vermelho em sistema de integração lavoura pecuária após cultivo de soja e pastejo em braquiária. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.50, n.11, p.1097-1104. 2015.

FRANCO, Í. O; ASSUNCAO, H. F. da. Usos do solo no advento do agronegócio da cana-de- açúcar no sudoeste de Goiás: estudo de caso do município de Jataí. Ciência e Cultura [online], v.63, n.3, p. 33-36, 2011.

GALINDO, O.; SANTOS, V. M. Centro-Oeste: Evolução Recente da Economia Regional. In: AFFONSO, R. B. & SILVA, P. L. B. (Orgs.). Desigualdades regionais e desenvolvimento. São Paulo: FUNDAP/UNESP. p. 157-194, 1995.

LANDIS, J.R. e KOCH, G.G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, v.33, n.1, p. 159-174, 1977.

LIMA, J. E. F. W. Situação e perspectiva sobre as águas do cerrado. Ciência e Cultura, v.63, n.3, 2011.

MORAES, R. P. As transformações socioeconômicas e ambientais no Cerrado. p. 112-132, 2006. In: Guimarães, L. D.; Silva, M. A. D. e Anacleto, T. C. (orgs.). Natureza viva Cerrado, caracterização e conservação. Goiânia: Editora da UCG.

NASCIMENTO, T. V.; FERNANDES, L. L. Mapeamento de uso e ocupação do solo emu ma pequena bacia hidrográfica da Amazônio. Ciência e Natureza. v. 39. n.1, 2017.

OLIVEIRA, W. F.; SÁ, R. A.; LEITE, M. E. Dinâmica do uso e ocupação d solo na área de drenagem do reservatório de abastecimento do sistema Juramento/MG. Caminhos da Geografia, v.17, n.57, p.92-106, 2016.

REIS, A. A.; TEIXEIRA, M. D; ACERBI JUNIOR, F. W; MELLO, J. M.; LEITE, L. R; SILVA, S. T da. Land use and occupation analysis of permanent preservation areas in Lavras County, MG. Ciência e Agrotecnologia. v.36, n.3. 2012.

RAMALHO, F. L. Qualidade das águas no córrego Matriz, em Cachoeira Alta – Goiás. 115 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Goiás, Jataí, 2017.

ROSA, R. Introdução ao sensoriamento remoto. 7º ed., Uberlândia: EDUFU, 2009.

ROSENFIELD, G. H.; FITZPATRICK-LINS, K. A coefficient of agreement as a measure of thematic classification accuracy. Photogrammetric Engineering and Remote Sensing, v.52, n.2, p.223-227, 1986.

SANTO FILHO, K. do E. Desenvolvimento Sustentável no Estado de Goiás: Aplicação de modelos qualitativos e quantitativos para a realidade do cerrado goiano. 215f. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) – Universidade Federal de Goiás. 2011.

SANTORI, A. R.; GOUVEIA, J. M. C.; GUIMARÃES, R. B. Caracterização e diagnóstico ambiental de pontos amostrais no interior e nas bordas do Parque Estadual do Morro do Diago, Teodoro Sampaio-SP. Caminhos de Geografia [online]. v. 18. n. 64. 2017.

SANTOS, P. T.; MARTINS, A. P. Classificação da cobertura vgetal e uso da terra da bacia hidrográfica do Rio Claro, Goiás, para os anos de 1985, 1995, 2005 e 2016. GeoAmbiente. n. 30. 2018. Disponível em:< https://repositorio.bc.ufg.br/xmlui/bitstream/handle/ri/16163/Artigo%20-%20Patr%C3%ADcia%20Tinoco%20Santos%20-%202018.pdf?sequence=5&isAllowed=y>. Acesso em: 22 dez. 2018.

SILVA, M. R. Desvelando a cidade: segregação socioespacial em Jataí-GO. 190 f. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) – Universidade Federal de Goiás. 2009.

SIMÕES, L. B. Integração entre um modelo de simulação hidrológica e sistema de informação geográfica na delimitação de zonas tampão ripárias. 185 f. Tese (Doutorado em Agronomia/Energia na Agricultura) – Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu. 2001.

TUCCI, C. E. M. 1993. Escoamento Superficial. In: TUCCI, C. E. M, (Org.) Hidrologia: Ciência e Aplicações. Porto Alegre: Editora da UFRGS. Cap.11, p.391- 441.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY (USGS). Downloads de imagens Landsat. Disponível em< https://earthexplorer.usgs.gov/>. Acesso em: 20 out. 2016.

Publicado
28-06-2019
Como Citar
Ramalho, F., Barcelos, A., Cabral, J. B., & Birro, S. O. (2019). DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO USO E OCUPAÇÃO DAS TERRAS ENTRE OS ANOS DE 2010 A 2015 NO CÓRREGO MATRIZ, CACHOEIRA-ALTA, GOIÁS, BRASIL. Geoambiente On-Line, (33). https://doi.org/10.5216/revgeoamb.v0i33.56676
Seção
Artigos