AUTODEPURAÇÃO DE CORPOS HÍDRICOS: ESTUDO DO LANÇAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO NO RIO LAMBARI (POÇOS DE CALDAS/MG)

Autores

  • Thamyris Pereira Mendonça Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG
  • Weriton Luis Petreca Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG
  • Antonio Donizetti Gonçalves de Souza Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG

DOI:

https://doi.org/10.5216/revgeoamb.vi36.55985

Resumo

O objetivo deste trabalho foi estudar o processo de autodepuração do rio Lambari em pontos onde ocorre o lançamento in natura do esgoto doméstico do município de Poços de Caldas (MG). Para a avaliação da qualidade da água foram estabelecidos quatro pontos de coleta (P1 a P4) onde foram medidas as seguintes variáveis: temperatura, pH, condutividade elétrica, sólidos totais dissolvidos, turbidez e oxigênio dissolvido. As amostragens foram realizadas durante os meses de outubro e novembro de 2016. No ponto P2 também foram realizadas medidas de vazão do rio. Para o estudo da autodepuração foi utilizado o modelo Streeter-Phelps para as variáveis oxigênio dissolvido e demanda bioquímica de oxigênio (DBO5) Após a calibração do modelo, foram feitas simulações na eficiência de tratamento do esgoto da ETE em construção no local. Os resultados demonstraram a influência do lançamento do esgoto doméstico sobre a qualidade da água e o descumprimento legal dos valores permissíveis referentes a Classe 2 (Resolução CONAMA 357/05). As simulações com o modelo Streeter-Phelps indicaram que para o atendimento legal, o tratamento mínimo da ETE deve ser de 80% de remoção da carga orgânica lançada atualmente sem tratamento no rio Lambari.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thamyris Pereira Mendonça, Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG

Engenheira Ambiental

Universidade Federal de Alfenas

Weriton Luis Petreca, Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG

Engenheiro Ambiental

Universidade Federal de Alfenas

Antonio Donizetti Gonçalves de Souza, Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG

Doutor Ecolgia e Recursos Naturais

Universidade Federal de Alfenas

Referências

ABRAHÃO, R. Impactos do lançamento de efluentes na qualidade da água do Riacho Mussuré. 2006. Dissertação (Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa, 2006.

ANDRADE, L. N. Autodepuração dos corpos d’água. Revista da Biologia. v.5. Vitória (ES), 2010.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, Conselho Nacional do Meio Ambiente , CONAMA. Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35705.pdf >. Acesso em: 25 mai. 2017.

CETESB. Qualidade das Águas Interiores no Estado de São Paulo. 2016. Disponível em:

<http://cetesb.sp.gov.br/aguas-interiores/wp-content/uploads/sites/12/2017/11/Ap%C3%AAndice-E-Significado-Ambiental-e-Sanit%C3%A1rio-das-Vari%C3%A1veis-de-Qualidade-2016.pdf> Acesso em: 30 jan. 2017.

CONCEIÇÃO, F. T.; SARDINHA, D. S.; SOUZA, A. D. G.; BONOTTO, D. M. Hydrochemical Relationships at Meio Stream Watershed, São Paulo State, Brazil. Revista Brasileira de Geociências, v. 37, n. 2, p. 389-401, 2007.

COSTA, P. C.; Garcia, (Coord.). Projeto hidrogeoambiental das estâncias hidrominerais da Companhia Mineradora de Minas Gerais – COMIG – Estância Hidromineral de Poços de Caldas – Rel. Técnico COMIG/Fundação Gorceix, 2001.

DMAE, DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE POÇOS DE CALDAS. Plano diretor de Esgotamento Sanitário do Município de Poços de Caldas /MG. Hydros Engenharia Ltda – Relatório Geral, N° DM615.RE.PC102, 2013.

FURTADO, A. L. F. F.; CALIJURI, M. do C.; LORENZI, A. S.; HONDA, R. Y.; GENUÁRIO, D. B.; FIORE, M. F. Morphological and molecular characterization of 116 cyanobacteria from a Brazilian facultative wastewater stabilization pond and evaluation of microcystin production. Hydrobiologia, p. 195 – 209, 2009.

GASTALDINI, M. C. C.; SEFFRIN, G. F. F.; PAZ, M. F. Diagnóstico atual e previsão futura da qualidade das águas do Rio Ibicuí utilizando o modelo QUAL2E. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 7, n. 3/4, p. 129 -138, 2002.

GONÇALVES, J. C. S. I. Desenvolvimento de modelo numérico para a simulação da qualidade da água em rios utilizando o software Vensim PLE. 2009. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade de São Paulo, USP, São Carlos, 2009.

GONÇALVES, J. C. S. I.; SARDINHA, D. S.; SOUZA, A. D. G.; DIBIAZI, A. L. B.; GODOY, L. H.; CONCEIÇÃO, F. T. Avaliação espaço-temporal da qualidade da água e simulação de autodepuração na bacia hidrográfica do córrego São Simão, SP. Revista Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science. Taubaté, v. 7, n. 3, p. 141-154, 2012.

HERMES, L. C.; SILVA, A. S. Avaliação da qualidade das águas: manual prático. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2004. 55p.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. Cidades. Disponível em <http://www.cidades.ibge.gov.br/v4/brasil/mg/pocos-de-caldas/panorama>. Acesso em 05 mai. 2017.

LOPES, F.W.A.; JÚNIOR, A.P.M. Influência das condições naturais de pH sobre o índice de qualidade das águas (IQA) na bacia do Ribeirão de Carrancas. Revista Geografias, v. 6, n. 2, p. 134-147, 2010.

MACHADO, M.B. Modelagem tridimensional da dispersão de poluentes em rios. Tese (Doutorado) - Faculdade de Engenharia Química da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2006.

VON SPERLING, M. Estudos e Modelagem da qualidade da água em rios. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Universidade Federal de MinasGerais; 2007. 588p.

TONON, K. Modelagem da qualidade da água utilizando os modelos Streeter Phelps e QUAL-UFMG na bacia do rio Lambari – Poços de Caldas (MG). Dissertação (Mestrado em Ciência e Engenharia Ambiental). Instituto de Ciência e Tecnologia, Universidade Federal de Alfenas. 2014.167p.

TEODORO, A. Estudo da capacidade de autodepuração e diluição de efluentes no Rio Taquarizinho. 2010. Dissertação (Mestrado em Tecnologias Ambientais) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, Campo Grande, 2010.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO – SNIS. Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2015. Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, Brasília, fevereiro de 2017.

MELO, A.T.; SANTOS, A.H.; MAGALHÃES, A.A.; ROCHA, C.P. Avaliação e modelagem da qualidade da água e capacidade de autodepuração do Rio do Peixe. In: XIV CONGRESSO MUNDIAL DA ÁGUA, 2011, Porto de Galinhas, Anais...Porto de Galinhas (PE), 2011.

NUNES, D.G. Modelagem da autodepuração e qualidade da água do Rio Turvo Sujo. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2008.

SARDINHA, D. S. Avaliação da qualidade da água e autodepuração do Ribeirão do Meio, Leme (SP). Revista Engenharia Sanitária Ambiental, V.13, n°3, p.329-338, 2008.

PALHARES, J. C. P.; RAMOS, C.; KLEIN, J. B.; LIMA, J. M. M.; MULLER, S.; CESTONARO, T. Medição da Vazão em rios pelo Método do Flutuador. Embrapa, Concórdia - SC, 2007.

WEINBERG, A. Uso de Índices de Qualidade de Água para a Caracterização da Bacia Hidrográfica do Rio Guandu. Projeto de Graduação. Engenharia Ambiental. Escola Politécnica. UFRJ. Rio de Janeiro. 2013, 166p.

Arquivos adicionais

Publicado

2020-05-01

Como Citar

MENDONÇA, T. P.; PETRECA, W. L.; DE SOUZA, A. D. G. AUTODEPURAÇÃO DE CORPOS HÍDRICOS: ESTUDO DO LANÇAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO NO RIO LAMBARI (POÇOS DE CALDAS/MG). Geoambiente On-line, Goiânia, n. 36, p. 85–103, 2020. DOI: 10.5216/revgeoamb.vi36.55985. Disponível em: https://revistas.ufg.br/geoambiente/article/view/55985. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos