MAPEAMENTO DA SENSIBILIDADE EROSIVA NA BACIA DO RIO SAHY, MUNICÍPIO DE MANGARATIBA (RJ)

Autores

  • Maria Luciene da Silva Lima PUC-Rio
  • Débora Rodrigues Barbosa UNESA
  • Renata Ribeiro de Oliveira UNESA

DOI:

https://doi.org/10.5216/revgeoamb.v0i28.44197

Resumo

O estudo propõe avaliar áreas sensíveis aos processos erosivos existentes na bacia hidrográfica do Rio Sahy, buscando compreender seus processos de uso e ocupação, na avaliação de áreas sensíveis às atividades erosivas na análise de riscos. O desenvolvimento do estudo consistiu em etapas de levantamento bibliográfico sobre a área de estudo e fundamentação teórica, análise e seleção de dados secundários georreferenciados (vetoriais e rasters) e tabulares, os quais utilizou-se de técnicas de geoprocessamento com o uso de Sistema de Informação Geográfica (SIG) para avaliação final de mapa síntese na análise as áreas sensíveis. A pesquisa em análise integrada resulta na reflexão sobre as dinâmicas históricas e coletivas de uso e ocupação e cenários atuais das áreas estudadas. O planejamento dos espaços, depende desse conhecimento para gerenciamento de contextos vulneráveis e áreas de risco, os quais normalmente se dão sob múltiplos usos, podendo ser identificados na atualidade como vulnerabilidades para a população local de modo que se possa pensar em sustentabilidades locais a partir da análise das transformações das paisagens dos sistemas socioecológicos em decorrências de tais processos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Luciene da Silva Lima, PUC-Rio

Possui graduação em Gestão Ambiental (2009) e Geografia (Licenciatura (2014) e bacharelado (2016)) pela UNESA,   mestre em geografia pela PUC-Rio (2017) na área de concentração Geografia e Meio Ambiente.

Analista em geoprocessamento há 13 anos, atuando em estudo ambientais.

Débora Rodrigues Barbosa, UNESA

Possui graduação em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1997) e Mestrado em Geografia, Saúde e Meio Ambiente (2002), pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora titular da Universidade Estácio de Sá.

Renata Ribeiro de Oliveira, UNESA

Possui graduação em Licenciatura em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992) e mestrado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998). Professora assistente da Universidade Estácio de Sá e coord. adjunta do curso de administração da Universidade Estácio de Sá.

Referências

BARBOSA, D. R; OLIVEIRA, R. R; SILVA, F. G. Uso do Solo e Ocupação na planície de Inundação do Rio Sahy, Mangaratiba/RJ. IV Workshop Internacional sobre planejamento e desenvolvimento sustentável em bacias hidrográficas. 1824-1834p. 2013.

BONDIM, Miriam. História da cidade de Mangaratiba. – Do arraial Tupiniquim ao cenário de Limite – 1. ed. Rio de Janeiro: Fundação Mário Peixoto, 2014.

BONDIM, Miriam. Resumo da história de ocupação das terras Mangaratibenses. Plano Municipal de Educação – Documento Base. 2015. Disponível em: <http://www.mangaratiba.rj.gov.br/portal/arquivos/informativos/pmm-plano-municipal-educacao-documento-base-2015.pdf> Acesso em 10 jul 2015.

BRASIL. Código Florestal Brasileiro, Lei 12.651/2012. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm>. Acesso em 16 jun 2016

CHRISTOFOLETTI, Antônio. Modelagem de Sistemas Ambientais. 1ª Ed – São Paulo: Blucher, 1999.

FERREIRA, Marcos César. Funções básicas de modelagem de mapas para SIG. In: Iniciação à análise geoespacial: teoria, técnicas e exemplos para geoprocessamento. – 1.ed. – São Paulo: Editora Unesp, 2014, p. 297-332.

GLASER, Marion. The Social Dimension in Ecosystem Management: Strengths and Weaknesses of Human-Nature Mind Maps. Human Ecology Review, Vol. 13, No. 2, 2006, Society for Human Ecology, p. 122-142. Disponível em: <http://www.humanecologyreview.org/pastissues/her132/glaser.pdf>. Acesso em: 28 mar 2016.

GUIMARÃES, Alberto Passos. O latifúndio cafeeiro. In: Quatro séculos de latifúndio (apresentação de Antônio Houaiss). Ed. - Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989. 255 p. (Estudos brasileiros, v. 24).

JORGE, Maria do Carmo Oliveira; GUERRA, Antonio José Teixeira. Erosão dos solos e movimentos de massa – recuperação de áreas degradadas com técnicas de bioengenharia e prevenção de acidentes. In: Processos erosivos e recuperação de áreas degradadas. - São Paulo: Oficina de textos, 7-28p. 2013.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Trad. Grupo "As (im)possibilidades do urbano na metrópole contemporânea" do Núcleo de Geografia Urbana da UFMG (do original: La production de l'espace. 4ªed. Páris: Editions Antrophos, 2000). Primeira versão: início - fev. 2006, cap. I.

MATTOS, Regina Célia de. Mangaratiba: Desafios socioambientais. In: Educação Ambiental: Resgate de valores socioambientais do município de Mangaratiba, RJ. RUA, João, et al; SIQUEIRA, Josafá Carlos de (Org.). – Rio de Janeiro: PETROBRÁS: PUC-Rio, 2003.

MORAES, Antônio Carlos Robert. Geografia: Pequena história Crítica. 21ª ed. - São Paulo: Annablume, 152p. 2007.

RUA, João. Mangaratiba e a construção da identidade territorial. In RUA, João, et al. Educação Ambiental: Resgate de valores socioambientais do município de Mangaratiba, RJ. Rio de Janeiro: PETROBRÁS: PUC-Rio, 2003.

SiBCS - Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Humberto Gonçalvez dos Santos. [et al]. – 3 ed. ver. ampl. – Brasilia, DF: Embrapa, 353 p. 2013.

SOLÓRZANO, Alexandro; RUÍZ, Adi Estela Lazos; OLIVEIRA, Rogério Ribeiro de. Landscape Reading of Urban Forests in Rio de Janeiro: Interpreting Past and Current Socioecological Interactions. Workshop on Landscape Reading Methodologies Guimarães, Portugal, 24-25 September, 2015.

WULF, Andrea. A Invenção da Natureza: a vida e as descobertas de Alexander von Humboldt. Tradução: Renato Marques. – 1.ed. – São Paulo: Planeta, 2016.

Downloads

Publicado

2017-06-14

Como Citar

DA SILVA LIMA, M. L.; BARBOSA, D. R.; OLIVEIRA, R. R. de. MAPEAMENTO DA SENSIBILIDADE EROSIVA NA BACIA DO RIO SAHY, MUNICÍPIO DE MANGARATIBA (RJ). Geoambiente On-line, Goiânia, n. 28, 2017. DOI: 10.5216/revgeoamb.v0i28.44197. Disponível em: https://revistas.ufg.br/geoambiente/article/view/44197. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos