DIAGNÓSTICO FÍSICO–CONSERVACIONISTA NA BACIA DO RIBEIRÃO LAJES, ARAGOMINAS – TO

Autores

  • Francisco Nilson Viana da Paz Ex acadêmico do Mestrado da Universidade Federal do Tocantins
  • Fernando de Morais Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.5216/revgeoamb.v0i27.42126

Resumo

A sociedade atual tem provocado danos diversos ao meio ambiente pelo uso e ocupação desordenada da terra. O monitoramento, sobretudo em bacias hidrográficas tem se tornado frequente em estudos ambientais no meio acadêmico. O Diagnóstico Físico-conservacionista tem se mostrado eficiente nesse processo, pois tem como finalidade diagnosticar qualitativamente e quantitativamente o grau de degradação ambiental de determinada área. Neste trabalho, o objetivo foi analisar a degradação Ambiental na bacia hidrográfica do ribeirão Lajes em Aragominas, situada na porção norte do estado do Tocantins, mediante aplicação de Diagnóstico Físico-conservacionista, técnicas advindas do Geoprocessamento e Sensoriamento remoto a partir do uso de ferramentas SIGs. Analisou-se a cobertura vegetal no período de 1991 a 2011 e demais parâmetros de caracterização física de bacias hidrográficas, com os quais foram gerados os mapas base para aplicação do Diagnóstico Físico-conservacionista na bacia. Após análise dos dados, constatou-se uma degradação física moderada de 39,96 unidades de risco para toda a bacia e setores B e C, e 43,29 para o setor A, com maior risco de degradação. Conclui-se que o aumento das atividades agropecuárias são as principais causas da degradação física na bacia, provocando substituição da vegetação original por pastagem em função da criação de gado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Nilson Viana da Paz, Ex acadêmico do Mestrado da Universidade Federal do Tocantins

icenciado em Ciências Química pela Fundação Universidade do Tocantins - UNITINS - (2004). CRQ - XII 12100862 - CFQ - 018922 e Licenciado em Biologia pela Universidade Federal do Tocantins - UFT - (2011). Especialista em Química Ambiental pela Faculdade Juscelino kubitschek, (2007). Mestre em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins - UFT - (2013).

Fernando de Morais, Universidade Federal do Tocantins

Dr

Referências

AGUIAR, L. M. S.; CAMARGO, A. J. A. Cerrado: Ecologia e Caracterização / editores técnicos. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados. Brasília. Embrapa Informações Tecnológica, p 18. 2004.

BELLIA, V.; DIAS, R. (Orgs.). Análise Ambiental e Socioeconômica do Norte do Estado do Tocantins. Projeto de Gestão Integrada da Região do Bico do Papagaio. Secretaria do Planejamento e Meio Ambiente – SEPLAN- (DEZ). Palmas, 2004.

BELTRAME, A. V. Diagnóstico do Meio Físico de Bacias Hidrográficas: modelo e aplicação. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1994. 122p.

COELHO, V. H. R.; MONTENEGRO, S. M. G. L.; ALMEIDA, C. N.; LIMA, E. R. V.; NETO, A. R.; MOURA, G. S. S. Dinâmica do uso e ocupação do solo em uma bacia hidrográfica do semiárido brasileiro. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. v.18, n.1, p.64-72, 2014.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. Ed. 2ª. Edgard Blucher, São Paulo 1980, 188p.

IBGE. Senso Demográfico 2010. Disponível em . Acesso em 20-12-2013.

_____ Mapa de Clima do Brasil. Disponível em . Acesso em 20-12-2013.

JACOBS, G. A. Erodibilidade de dois latossolos vermelho escuro (textura argilosa e média) em relação a erosividade. 1995. 95 f. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Agronomia - Área de Concentração: Ciências do Solo. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, PR. 1995.

LEITE, E. F. Utilização do Geoprocessamento na Análise Ambiental por Diagnóstico Físico-conservacionista: Estudo de Caso na Microbacia Hidrográfica do Córrego Vilas Boas – Miranda, MS. 2007. 139 f. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-graduação Stricto Sensu - Mestrado em Geografia. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Miranda, MS. 2007.

MENDOZA, M. E.; GRANADOS, E. L.; GENELETTI, D.; PÉREZ-SALICRUP, D. R.; SALINAS, V. Analysing land cover and land use change process at watershed level: A multitemporal study in the Lake Cuitzeo Watershed, Mexico (1975-2003). Applied Geography, v.31, p.237-350, 2011.

OLMOS, F.; DIAS, R. B.; PACHECO, J. F. (Orgs.) Estudo da Flora e da Fauna no Norte do Estado do Tocantins. Projeto de Gestão Ambiental Integrada do Bico do Papagaio. Folha SB.22-Z-D – Araguaína. Estado do Tocantins. Palmas, SEPLAN/DEZ, 2004.

ROCHA, J. S. M.; DALTROZO, C. C. Florestamentos compensatórios para retenção de água em microbacias. Revista Educação Agrícola Superior, v. 23, n1, p. 71-75, 2008.

ROMÃO, P. A. DIAS, R. R.; BORGES, R.S.T. (Orgs.). Projeto de Gestão Ambiental Integrada do Bico do Papagaio. Araguaína. Geomorfologia da Folha SB.22-Z-D – Araguaína. Estado do Tocantins. Palmas, SEPLAN/DEZ, 2002.

SANO, E. E.; ROSA, R.; BRITO, J. L. S.; FERREIRA, L. G. Land cover mapping of the tropical savanna region in Brazil. Environmental monitoring and assessment. v. 166, Issue 1, p.113-124, 2010.

SANO, E. E.; ROSA, R.; BRITO, J. L. S.; FERREIRA, L. G.; BEZERRA, H. S. Mapeamento da cobertura vegetal natural e antrópica do bioma Cerrado por meio de imagens Landsat ETM+. Anais XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. n. 2004, p. 1199-1206, 2009.

SCAPINI, G. P. Diagnóstico físico-conservacionista e sua relação com a sedimentação e referencias da paisagem. 2006. 94 f. Dissertação de mestrado - Centro de Ciências Rurais, Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, RS. 2006.

SOUSA, P. A; BORGES, R.ST.; DIAS, R. R. (Orgs.). Atlas do Tocantins. Subsídios ao Planeamento da Gestão Territorial – SEPLAN – Secretaria do Planejamento e da Modernização da Gestão Pública. 6ª ed. Palmas: SEPLAN, 2012.

TUCCI, C. E. M.; CHARKE, R. T. Impacto das mudanças da cobertura vegetal no escoamento. Revista Brasileira de Recursos Hídricos. Volume 2, n.1 Jan/Jun 1997, UFRGS, Porto Alegre / RS.

Downloads

Publicado

2017-01-02

Como Citar

VIANA DA PAZ, F. N.; MORAIS, F. de. DIAGNÓSTICO FÍSICO–CONSERVACIONISTA NA BACIA DO RIBEIRÃO LAJES, ARAGOMINAS – TO. Geoambiente On-line, Goiânia, n. 27, 2017. DOI: 10.5216/revgeoamb.v0i27.42126. Disponível em: https://revistas.ufg.br/geoambiente/article/view/42126. Acesso em: 6 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos