“Alfineteira humana”? As crianças na ciência do vírus Zika produzida em Recife/PE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sec.v26.75242

Resumo

Na pandemia do vírus Covid-19, novos fenômenos patológicos despertaram surpresa, horror e curiosidade. O mesmo aconteceu com uma epidemia anterior, a do vírus Zika, entre 2015 e 2016. Vírus, vetor, gestante, feto – para chegar a essa correspondência, aconteceu um “intensivão científico”. Dezenas de cientistas correram para Recife/PE, o epicentro à época, e transformaram as crianças atingidas nos principais sujeitos de pesquisa. Ainda em 2018, entrevistei 13 cientistas do Zika. Em 2021, li os seus 36 artigos científicos publicados a partir de uma pergunta específica: onde e como aparecem as crianças? Como conteúdo, proponho uma leitura etnográfica destes artigos que, mesmo padronizados, sintéticos e herméticos, revelam informações nas entrelinhas. Como forma, farei um experimento literário, seguindo as seções comumente organizadas nesses artigos. Como empiria, sigo uma ordem microscópica até uma ordem macrossocial, da célula à demografia da epidemia. Contudo, a despeito de toda esta ciência feita a partir das crianças, elas continuam invisíveis. Por essas pistas, de conteúdo, forma e empiria, e amparada por expoentes contemporâneas da Antropologia da Ciência, sugiro uma análise sobre os encontros científicos durante a epidemia do Zika ali no Recife.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Soraya Fleischer, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, Distrito Federal, Brasil, soraya@unb.br

Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professora da Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

2023-08-22

Como Citar

FLEISCHER, S. “Alfineteira humana”? As crianças na ciência do vírus Zika produzida em Recife/PE . Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 26, 2023. DOI: 10.5216/sec.v26.75242. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fcs/article/view/75242. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Livres