Risco e biopolítica: requiem por uma pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sec.v24.66579

Palavras-chave:

Biopolítica. Percepção do Risco. Securitização. Necroliberalismo. COVID-19.

Resumo

A percepção social do risco associado ao contágio, a construção do outro como ameaça e a experiência social do espaço público durante a pandemia de doença por coronavírus 2019 (COVID-19) são consequências de elementos epidemiológicos específicos, inclusive o alto contraste entre a relativamente baixa mortalidade da infecção e a explosiva transmissibilidade do vírus. Recorrendo a alguns elementos da psicologia social do risco, argumenta-se que a vida midiática desses fatores nos coloca em coordenadas biopolíticas semelhantes àquelas do cenário pós-11 de Setembro, favorecendo a proliferação de
sobreposições, híbridos e alternâncias entre o laissez faire neoliberal e as respostas punitivas e hipersecuritárias à pandemia. Como alternativa, defende-se a necessidade de avaliar criticamente as políticas de resposta em um quadro transnacional e radicalmente interpandêmico. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pablo Pérez Navarro, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal

Doutor em Filosofia pela Universidade de La Laguna (Espanha). Investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e professor visitante de Estudos Queer e LGBTI - Gênero e Sexualidades na Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Publicado

08-09-2021

Como Citar

Navarro, P. P. . (2021). Risco e biopolítica: requiem por uma pandemia. Sociedade E Cultura, 24. https://doi.org/10.5216/sec.v24.66579

Edição

Seção

Dossiê: Ciências Sociais e Covid-19