Estado, pandemia e reprodução de desigualdades interseccionais no Brasil: uma reflexão a partir da tensão colonialidade/decolonialidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sec.v24.66307

Resumo

Desde 2015, o Brasil vem adotando com mais intensidade a retórica neoliberal do ajuste econômico e, consequentemente, alargando suas múltiplas formas de desigualdade social agravadas com a chegada da pandemia. O objetivo do artigo é, portanto, refletir como o pensamento decolonial pode contribuir na leitura sobre a esfera estatal brasileira na condução do enfrentamento da pandemia diante da reprodução do entrecruzamento de desigualdades – de classes, raciais e de gênero. A partir de uma revisão bibliográfica crítica, adota-se como chave analítica para o entendimento dessa realidade social a tensão colonialidade/decolonialidade. O tensionamento permite identificar que, se por um lado há uma racionalidade neoliberal que coloniza o Estado e a sociedade, por outro, resistem e existem – (r)existem – as Epistemologias do Sul e, mais especificamente, o pensamento decolonial, que tratam de visibilizar as experiências e as práticas de (r)existência das lutas sociais. A maior presença da esfera estatal brasileira é então requerida como forma de confrontar a intersecção de desigualdades, mesmo em um governo de forte cunho neoliberal. Nesse sentido, é preciso avançar na construção de uma agenda de reflexão e discussão acerca dos processos de reprodução das desigualdades interseccionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Ferreira Freire Andrade Lira, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba e Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Sociologia Política do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal da Paraíba como docente externo (colaborador).

Downloads

Publicado

08-09-2021

Como Citar

Ferreira Freire Andrade Lira, B. (2021). Estado, pandemia e reprodução de desigualdades interseccionais no Brasil: uma reflexão a partir da tensão colonialidade/decolonialidade. Sociedade E Cultura, 24. https://doi.org/10.5216/sec.v24.66307

Edição

Seção

Dossiê: Ciências Sociais e Covid-19