EXCLUSÃO, CRIMINALIDADE E PRISÃO: SER MULHER NO GRÃO DUCADO DE MECKLENBURG-SCHWERIN

Autores

  • Caroline von Mühlen Pontifícia Universidade Católica de Rio Grande do Sul

Resumo

Entre os anos de 1824 e 1825 foram agenciados pelo Major Georg Anton von Schaeffer prisioneiros das Casas de Correção, Trabalho e Penitenciárias do Grão Ducado de Mecklenbug-Schwerin. Conforme consta nos autos, emigraram 329 pessoas entre homens, mulheres e crianças. Estes foram contratados como soldados para serem incorporados aos três batalhões de estrangeiros no Rio de Janeiro, bem como algumas famílias para desenvolver a pequena propriedade na Colônia Alemã de São Leopoldo. Neste artigo daremos uma atenção especial à emigração das mulheres, observando os motivos que as levaram à Casa de Correção, as condições para à emigração, bem como o contexto social e econômico em que elas estavam inseridas.

Biografia do Autor

Caroline von Mühlen, Pontifícia Universidade Católica de Rio Grande do Sul

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História na PUCRS.

Downloads

Publicado

30-03-2014