Arnaldo Albuquerque: pioneirismo marginal no quadrinho piauiense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/v.v20.54487

Palavras-chave:

quadrinho, Arnaldo Albuquerque, Piauí

Resumo

Arnaldo Albuquerque foi pioneiro em diversas áreas culturais na cidade de Teresina – PI. Este trabalho foi estruturado de forma a contextualizar historicamente o espaço e o tempo vividos por Arnaldo Albuquerque, abordando suas inspirações e o grave acidente sofrido, o qual, devido ao longo período de recuperação, foi o responsável pela criação de suas principais obras: a revista Humor Sangrento e a animação Carcará: pega, mata e come, ambas pioneiras no Estado do Piauí.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neila Tanísia Rocha Matias Siqueira, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, PI, Brasil, neilatanisia@hotmail.com

Mestre em Design, Professora do Curso de Artes Visuais da Universidade Federal do Piauí, Pós graduada em Computação gráfica 3D, pós graduada em gestã ode negócios da moda, graduada em Direito e Arte e Mídia. Escritora.

Gilberto Prado, Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, São Paulo, Brasil, gttoprado@gmail.com

Artista e professor, estudou Engenharia e Artes Plásticas na Unicamp e em 1994 obteve seu doutorado em Artes na Universidade Paris 1 - Panthéon Sorbonne. Tem realizado e participado de inúmeras exposições no Brasil e no exterior como XVI Bienal de São Paulo, (setor: Mail Art, 1981); Welcomet Mr. Halley , Paço das Artes (1985); City Portraits/Art-réseaux, Galerie Donguy (1990); Mutations de l'image, Vidéothèque de Paris (1994); Arte e Tecnologia no MAC-USP (1995), Mediações no Itaú Cultural (1997), City Canibal, no Paço das Artes SP (1998), II Bienal do Mercosul (1999), Link_Age / MECAD, Barcelona; XXV Bienal de São Paulo (Net Arte, 2002); >=4D , CCBB - Brasília (2004); Corpos Virtuais no Espaço Telemar, RJ; Cinético Digital no Itaú Cultural (2005); com o Grupo Poéticas Digitais na mostra Interconnect@ between attention and immersion, ZKM, Karlsruhe - Alemanha (2006); Memória do Futuro, Itaú Cultural (2007); Chain Reaction, Museum of the City of Skopje, Macedonia (2008); Bienal: Arte Nuevo InteractivA '09, Museo de la Ciudad, Mérida, Yucatan, México (2009); Galeria Expandida, Luciana Brito, São Paulo; Emoçao Art.ficial 5.0, Itaú Cultural (2010); EmMeios#3, Museu Nacional da República, Brasília (2011); III Mostra 3M de Arte Digital: Tecnofagias, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo (2012); 
IV Festival de Arte e Tecnologia do Recife ? Centro Cultural Correios (2013); Singularidades/ Anotações: Rumos Artes Visuais 1998-2013, Itaú Cultural, (2014); Caixa dos Horizontes Possíveis, Paço das Artes (2014); Singularidades/ Anotações, Paço Imperial Rio de Janeiro (2015); 6th Media Art Biennale WRO, Wroclaw, Polônia (2015); Cibergeografías, Centro Cultural de España de Montevideo (2016); ISEA 2017/16Th Image Festival, Manizales, Colombia (2017); Naturaleza Viva ? Muntref, BIENALSUR, Buenos Aires (2017); Paradoxo(s) da Arte Contemporânea, MAC USP (2018); Exposição individual com o Grupo Poéticas Digitais no Laboratório Arte Alameda, México (2018); EmMeio#14, Museu Nacional da República, Brasília (2022). Recebeu o 9º Prix Möbius International des Multimédias, Beijing, China (2001), Prêmio Transmídia Itaú Cultural (2002), 6º Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia, Grupo Poéticas Digitais (2006) e o Rumos Itaú Cultural (2000 - 2019/2020), entre outros. Publicou em 2003 o livro, Arte telemática: dos intercâmbios pontuais aos ambientes virtuais multiusuário, pelo Itaú Cultural e com Jorge La Ferla, Circuito Alameda, pelo Laboratorio Arte Alameda/Instituto Nacional de Belas Artes, México em 2018. Foi Professor do Instituto de Artes da Unicamp, Professor Convidado da Universidade Paris 8 e realizou pós-doutoramento na Faculdade de Belas Artes da Universidade Politécnica de Valencia. Atualmente é Professor Senior da Universidade de São Paulo e Professor da Universidade Anhembi Morumbi. Atua nos Programas de Pós-Graduação em Artes visuais da ECA-USP e no PPG Design da UAM. É coordenador do Grupo Poéticas Digitais, trabalha com Arte em Rede e instalações interativas.

Referências

ALBUQUERQUE, Arnaldo. Revista Pulsar. Teresina, Ano I, n. 2, jul./dez. 1998.

AURÉLIO, Bernardo. Revista Humor Sangrento. Edição comemorativa de 30 anos, 2007.

GALVÃO, Adriana. Ativismo audiovisual em Teresina e a composição de um cinema piauiense. 2012. 309 f. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) - Universidade Federal do Piauí, Teresina, ago. 2012.

HALAS, John; MANVEL, Roger. A técnica da animação cinematográfica. São Paulo: Civilização Brasileira/EMBRAFILME, 1979.

MARQUES, Wilson. O jovem João do Vale. São Paulo: Nova Alexandria, 2013.

MIRANDA, Marcela. Chapada do Corisco e Gramma: por um jornalismo diferente durante a didatura militar no Piauí. Teresina, PI: Universidade Federal do Piauí, 2012.

OLIVEIRA, Aristides; FERNANDES, Meire; AURÉLIO, Bernardo. Documentário Sem Palavras. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=FvBnCLo6 AMA>. Acesso em: 10 de julho de 2016.

SIQUEIRA, Neila Tanísia Rocha Matias. Anima-the: Design, memória e restauração da Primeira animação piauiense.

Downloads

Publicado

2023-06-08

Como Citar

SIQUEIRA, N. T. R. M.; PRADO, G. Arnaldo Albuquerque: pioneirismo marginal no quadrinho piauiense. Visualidades, Goiânia, v. 20, 2023. DOI: 10.5216/v.v20.54487. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/54487. Acesso em: 17 jun. 2024.