Casa de bricoleur: invenção na estética popular - DOI 10.5216/vis.v6i1eI2.18100

Autores

  • Laila Beatriz da Rocha Loddi

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v6i1ei2.18100

Resumo

Esta pesquisa tem como tema a estética da bricolagem em arquiteturas inventadas e construídas pelos próprios moradores. O foco é no imaginário popular que transforma fragmentos em matéria preciosa para a criação. O imaginário, dimensão fundamental das criações do pensamento humano, é rede de imagens na qual o sentido emerge das relações entre elas. Os “construtores do imaginário” metamorfoseiam lixo em arte, caquinho em beleza, e criam casas com restos de construções, pedaços de louça e vidro, lâmpadas queimadas, moedas anti-gas, e uma série de objetos considerados imprestáveis - sobras da sociedade de consumo. A “estética do descartável” é também condição de sobrevivência, astúcia popular que afirma a inventividade própria das táticas, onde a ordem das coisas é desviada dos fins a que antes eram designadas. A bricolagem tem a ver com o acaso e a incompletude: é o acontecimento imprevisto. O bricoleur, neste caso, é aquele que remenda coisas e faz objetos com pedaços de outros objetos. Exemplos desta estética são: a Casa da Flor, de Gabriel Joaquim dos Santos, e a casa de Estevão Silva da Conceição, o “Gaudí brasileiro”. A casa de bricoleur é um organismo vivo, um corpo poético em contínuo estado de transformação.

Palavras-chave: Bricolagem, imaginário popular, estética

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-04-18

Como Citar

DA ROCHA LODDI, L. B. Casa de bricoleur: invenção na estética popular - DOI 10.5216/vis.v6i1eI2.18100. Visualidades, Goiânia, v. 6, n. 1 e 2, 2012. DOI: 10.5216/vis.v6i1ei2.18100. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/18100. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Painéis