A fotografia psiquiátrica no século XIX: Hugh W Diamond - DOI 10.5216/vis.v6i1eI2.18071

Autores

  • Tatiana Fecchio da Cunha Gonçalves UFG

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v6i1ei2.18071

Resumo

O uso da fotografia como forma e possibilidade de registro das movimentações internas dos sujeitos psiquiátricos foi uma prática comum no século XIX, tendo se iniciado na França e Inglaterra. A fotografia psiquiátrica está intrinsecamente relacionada com a concepção de exteriorização das movimentações internas no corpo, da externalização de um estado patológico passível de ser percebido na fisionomia e na gestualidade. Hugh Welch Diamond desenvolveu seus trabalhos fotográficos no Surrey Country Lunatic Asylum, na Inglaterra. Lá, além da realização das fotografias, Diamond refletiu sobre o uso deste recurso e suas vantagens junto à medicina. Este estudo tem por objetivos: primeiramente apresentar o uso da fotografia psiquiátrica como parte integrante da conduta médica em relação aos pacientes no século XIX; em segundo lugar apontar sobre os argumentos de Hugh Diamond que destacavam a importância e as vantagens da utilização desta técnica a partir de seu próprio relato na publicação On the Application of Photography to the Physionomic and Mental Phenomena of Insanity de 1856; bem como discutir particularidades das imagens por ele realizadas em relação às gravuras de mesma temática.

Palavras-chave: Fotografia, psiquiatria, Hugh Diamond

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-04-18

Como Citar

DA CUNHA GONÇALVES, T. F. A fotografia psiquiátrica no século XIX: Hugh W Diamond - DOI 10.5216/vis.v6i1eI2.18071. Visualidades, Goiânia, v. 6, n. 1 e 2, 2012. DOI: 10.5216/vis.v6i1ei2.18071. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/18071. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

GT1 - Teoria, História e crítica da arte e imagem