SALA DE AULA INVERTIDA NA EDUCAÇÃO PARA AS PROFISSÕES DE SAÚDE: CONCEITOS ESSENCIAIS PARA A PRÁTICA

Valdes Roberto Bollela

Resumo


As diretrizes curriculares dos cursos de graduação da área da saúde recomendam a utilização de estratégias de ensino e aprendizagem centradas no estudante, colaborativas e que valorizem o reconhecimento e a resolução de problemas relevantes e relacionados à prática profissional. O objetivo deste artigo é descrever os aspectos essenciais sobre a “sala de aula invertida”, com intuito de auxiliar aqueles que tiverem interesse de utilizá-la. Trata-se de breve revisão sobre uma estratégia educacional que tem sido utilizado cada vez mais no ensino superior, em especial nos cursos de graduação da área da saúde. Os autores apresentam uma breve revisão sobre as origens, caracterizando e descrevendo como funciona a sala de aula invertida, além de discutir algumas razões para que o professor considere utilizá-la no ensino de graduação dos cursos da área da saúde. Finalmente, são apresentadas as limitações e os desafios da estratégia. A proposta da sala de aula invertida entrelaça diversos conceitos, dentre eles o da aprendizagem ativa e colaborativa, da autonomia do estudante, da aprendizagem significativa e do ensino à distância.

Palavras-chave


Educação em Saúde, Educação à Distância, Aprendizagem Ativa.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5216/ref.v14i1.42807

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Logotipo do IBICT
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.revistas.ufg.br

Visitantes: contador de visitas