ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS VERSUS EFEITO OBESOGÊNICO SOB A ÓPTICA DA QUÍMICA MEDICINAL

Autores

  • Ana Paula Schmitz Universidade Feevale
  • Olyr Celestino Kreutz Universidade Feevale
  • Edna Sayuri Suyenaga Universidade Feevale

DOI:

https://doi.org/10.5216/ref.v12i3.33714

Palavras-chave:

Química medicinal, antipsicóticos atípicos, obesogênico

Resumo

Os fármacos antipsicóticos são os principais agentes utilizados no tratamento da esquizofrenia e atuam principalmente como antagonistas do receptor dopaminérgico D2. Entre eles, destacam-se os antipsicóticos atípicos, os quais apresentam um perfil farmacológico peculiar por induzirem menos efeitos extrapiramidais. Geralmente são indicados aos pacientes com sintomas negativos da esquizofrenia, ou em casos refratários ao tratamento com medicamentos de primeira geração, porém são relatados . Desta forma, foi realizada uma revisão bibliográfica sobre estes fármacos correlacionando a estrutura química versus atividade farmacológica. Sugere-se que o grupamento piperazina seja responsável pelos efeitos obesogênicos, ao se ligar aos receptores histaminérgicos H1. A observação dos grupamentos farmacofóricos e as modificações químicas permitem a compreensão do seu perfil farmacodinâmico e farmacocinético, cujo entendimento da sua química medicinal é de suma importância ao tratamento satisfatório ao paciente esquizofrênico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Schmitz, Universidade Feevale

Instituto de Ciências da Saúde Acadêmica do curso de Farmácia

Olyr Celestino Kreutz, Universidade Feevale

Instituto de Ciências da Saúde Professor Titular do curso de Farmácia

Edna Sayuri Suyenaga, Universidade Feevale

Instituto de Ciências da Saúde Professora Titular do curso de Farmácia

Downloads

Publicado

2015-09-30

Como Citar

SCHMITZ, A. P.; KREUTZ, O. C.; SUYENAGA, E. S. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS VERSUS EFEITO OBESOGÊNICO SOB A ÓPTICA DA QUÍMICA MEDICINAL. Revista Eletrônica de Farmácia, Goiânia, v. 12, n. 3, p. 23–35, 2015. DOI: 10.5216/ref.v12i3.33714. Disponível em: https://revistas.ufg.br/REF/article/view/33714. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais