TERAPIA RETINÓIDE NA ACNE VULGAR

Autores

  • Daniela Cristina Vinhal
  • Aline Oliveira Roberth
  • Vânia Oliveira Pereira Ortence
  • Danielle Guimarães Almeida Diniz UFG

DOI:

https://doi.org/10.5216/ref.v11i3.27721

Palavras-chave:

Acne, Retinoides

Resumo

A acne vulgar é uma condição patológica da pele que acomete homens e mulheres de todas as idades. O tratamento procura controlar a hiperprodução de sebo, hiperqueratinização folicular, colonização por bactérias e inflamação local. O tratamento da acne pode ser tópico, sistêmico ou até cirúrgico. O objetivo deste artigo foi extrair da literatura dados essenciais sobre derivados retinóides utilizados no tratamento da acne vulgar, para deste modo fornecer um estudo atualizado sobre a abordagem terapêutica nas diversas formas da acne. O uso dos retinóides como fármacos de primeira escolha no tratamento da acne deve-se a comprovada eficácia na melhora das lesões acnéicas não inflamatórias e inflamatórias. A partir de análises minuciosas de estudos já realizados entre os retinóides tópicos, o adapaleno destacou-se por apresentar, com frequência, melhor tolerabilidade cutânea e maior aderência do indivíduo ao tratamento. O tazaroteno, por sua vez, mostrou-se mais eficaz no tratamento da acne inflamatória. Desta forma, pode-se concluir que na escolha do tratamento da acne é preciso avaliar o custo e o benefício das abordagens terapêuticas disponíveis e as melhores indicações de acordo com o aspecto clínico das lesões e a aderência do paciente ao tratamento. Além disso, os clínicos devem continuar a buscar estratégias inovadoras, a fim de limitar o fardo substancial desta doença prevalente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle Guimarães Almeida Diniz, UFG

Faculdade de Farmácia -UFG

Downloads

Publicado

2014-09-30

Como Citar

VINHAL, D. C.; ROBERTH, A. O.; ORTENCE, V. O. P.; DINIZ, D. G. A. TERAPIA RETINÓIDE NA ACNE VULGAR. Revista Eletrônica de Farmácia, Goiânia, v. 11, n. 3, p. 22, 2014. DOI: 10.5216/ref.v11i3.27721. Disponível em: https://revistas.ufg.br/REF/article/view/27721. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais