AVALIAÇÃO DO TEOR DE IODO PRESENTE NO SAL DE COZINHA COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM PARÁ

Autores

  • Cassiano Junior Saatkamp

DOI:

https://doi.org/10.5216/ref.v11i1.26501

Palavras-chave:

Iodo, sal de cozinha, Santarém, iodometria

Resumo

A organização Mundial de Saúde (OMS) considera a deficiência de iodo como um grave problema de saúde pública e enfatiza que cerca de 2 bilhões de pessoas, ou 35,2% da população global, apresenta deficiência de iodo em suas necessidades diárias, sendo que as sequelas decorrentes dos Distúrbios por Deficiência de Iodo (DDI) podem afetar principalmente grávidas e crianças, e se estender por toda a vida, sendo que simples políticas públicas poderiamevitar danos ao organismo devido esta deficiência, até a níveis cerebrais (FREITAS et al 2011; OMS, 2004). A Lei nº 1944, de 14 de agosto de 1953, “torna obrigatória a iodetação do sal de cozinha destinado a consumo alimentar[...]” e na Lei nº 6150, de 03 de dezembro de 1974, “dispõe sobre a obrigatoriedade da iodação do sal, destinado ao consumo humano, seu controle pelos órgãos sanitários [...]”. Em março de 2003, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) em sua RDC nº 130, de 26 de maio de 2003, e em seu Artigo 1º estabeleceu que: “somente será considerado próprio para consumo humano o sal que contiver teor igual ou superior a 20 (vinte) até o limite máximo de 60 (sessenta) miligramas (mg) de iodo por quilograma (kg) de produto”. E no ultimomês de abril de 2013, a ANVISA aprovou regulamento técnico que estabelece a nova teorização de iodo no sal de cozinha através da RDC n° 23, publicada no mês de abril de 2013, a fim de erradicar efeitos nocivos à saúde, regularizando o teor de iodo deverá estar igual ou superior de quinze (15) mg até o limite máximo de quarenta e cinco (45) mg por quilograma de produto. Este trabalho objetivou avaliar o teor de iodo presente no sal de cozinha comercializado no município de Santarém Pará.Utilizando a técnica iodometrica para determinação do teor de iodo. Os resultados mostraram três amostras com teor de iodo fora de conformidade, ou seja, duas (02) amostras com valor acima do permitido e uma (01) abaixo do mínimo preconizado pela ANVISA(20 – 60 mg/kg). Em face da importância do sal na preparação de alimentos e dos riscos à saúde da população causados tanto pela deficiência como pelo excesso de iodo, torna-se necessário o controle de qualidade para averiguar a adequação aos critérios da legislação atual. Os resultados obtidos neste trabalho evidenciaram a existência de problemas em termos de qualidade das marcas comerciais analisadas quanto ao teor de iodo, a qual é inferior à recomendada. 10.5216/ref.v11i1.26501

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-03-31

Como Citar

SAATKAMP, C. J. AVALIAÇÃO DO TEOR DE IODO PRESENTE NO SAL DE COZINHA COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM PARÁ. Revista Eletrônica de Farmácia, Goiânia, v. 11, n. 1, p. 10, 2014. DOI: 10.5216/ref.v11i1.26501. Disponível em: https://revistas.ufg.br/REF/article/view/26501. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais