ESTUDO FARMACOEPIDEMIOLOGICO: O USO DE MEDICAMENTOS POR GESTANTES

Autores

  • Núbia Kellly Rodrigues Ribeiro Universidade Federal da Paríba
  • Lidia Lúcia Bezerra Leite Universidade Federal da Paraíba.
  • Zélia Braz Vieira da Silva Pontes Universidade Federal da Paraíba.

DOI:

https://doi.org/10.5216/ref.v10i1.19040

Palavras-chave:

Medicamentos. Farmacoepidemiologia. Gestantes.

Resumo

Os estudos de utilização dos medicamentos são capazes de fornecer informações importantes para o planejamento em saúde. Com o objetivo de contribuir com o uso racional de medicamentos em gestantes, o presente trabalho buscou determinar o perfil epidemiológico dos medicamentos utilizados pelas gestantes usuárias do serviço de pré-natal do Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW) em João Pessoa – PB. Foi realizado um estudo transversal, após aprovação em comitê de ética, com uma população de 90 gestantes em idades gestacionais diversas atendidas no HULW, classificando os medicamentos de acordo com a categoria de risco do FDA. Os medicamentos, de acordo com a classificação ATC, mais utilizados pelas gestantes foram: o sulfato ferroso (B03 preparados antianêmicos) 31,03%; paracetamol (N02 analgésicos) 4,93%; brometo de escopolamina (A03 medicamentos para disfunções funcionais gastrointestinais) 4,93%; dimenidrinato (A04 antieméticos) 2,46%; metildopa (C02 anti-hipertensivos) 1,97%; dipirona (M01antiinflamatórios) 1,45%, e nistatina (J02 antimicótico) 0,99%. A percentagem de automedicação na população estudada foi de 5,42% e cerca de 11% das entrevistadas afirmaram desconhecer o medicamento em uso e/ou sua indicação. Nenhum medicamento descrito enquadrou-se nas categorias D ou X da FDA; no entanto, 75,0% dos medicamentos utilizados pertencem às classes B e C, que não há estudos adequados em humanos que comprovem sua segurança. Os resultados deste estudo convergem para os achados da literatura, reforçando a necessidade de caracterizar-se o perfil de utilização de medicamentos em gestantes para poder promover o uso racional dos medicamentos, considerando os possíveis danos que estes podem causar ao feto. 10.5216/ref.v10i1.19040

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Núbia Kellly Rodrigues Ribeiro, Universidade Federal da Paríba

Professora do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal da Paraíba. Gestão Farmacêutica, Farmacoepidemiologia, farmacotécnica.

Lidia Lúcia Bezerra Leite, Universidade Federal da Paraíba.

Graduanda do curso de farmácia.

Zélia Braz Vieira da Silva Pontes, Universidade Federal da Paraíba.

Professora Doutora do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal da Paraíba. Micologia e saúde pública.

Downloads

Publicado

2013-03-31

Como Citar

RIBEIRO, N. K. R.; LEITE, L. L. B.; PONTES, Z. B. V. da S. ESTUDO FARMACOEPIDEMIOLOGICO: O USO DE MEDICAMENTOS POR GESTANTES. Revista Eletrônica de Farmácia, Goiânia, v. 10, n. 1, p. 11, 2013. DOI: 10.5216/ref.v10i1.19040. Disponível em: https://revistas.ufg.br/REF/article/view/19040. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais