AVALIAÇÃO DOS HÁBITOS DE PRESCRIÇÃO NO TRATAMENTO DE ESQUIZOFRENIA

Autores

  • Fabiana Gatti de Menezes
  • Luciano Carlos Vieira de Mariz

DOI:

https://doi.org/10.5216/ref.v8i3.15804

Palavras-chave:

esquizofrenia, agentes antipsicóticos, farmacoepidemiologia, assistência farmacêutica.

Resumo

O tratamento farmacológico da esquizofrenia é usualmente realizado com antipsicóticos, estabilizadores do humor e antidepressivos. O antipsicótico ideal deve ter um número de características, tais como: eficácia clínica, rápido início de ação, poucos efeitos adversos, entre outros. O objetivo do presente trabalho é avaliar os hábitos de prescrição no tratamento da esquizofrenia. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, realizada com 80 psiquiatras, entrevistados com questionário estruturado, perguntas abertas e fechadas. 97,5% dos pacientes apresentaram resultados positivos ao tratamento, um dos fármacos mais recomendados foi a olanzapina, mais relatos de efeitos adversos foi o haloperidol. A relação entre os médicos e os pacientes é importante para a adesão e melhor controle dos sintomas. A escolha do medicamento deve-se a eficácia e características do paciente que influenciam a adesão ao tratamento. 10.5216/ref.v8i3.15804

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-09-29

Como Citar

DE MENEZES, F. G.; DE MARIZ, L. C. V. AVALIAÇÃO DOS HÁBITOS DE PRESCRIÇÃO NO TRATAMENTO DE ESQUIZOFRENIA. Revista Eletrônica de Farmácia, Goiânia, v. 8, n. 3, p. 12, 2011. DOI: 10.5216/ref.v8i3.15804. Disponível em: https://revistas.ufg.br/REF/article/view/15804. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais