PARASITISMO DO ENCÉFALO DE RATOS POR Trypanosoma cruzi

Autores

  • João Roberto da Mata UFG
  • Sara Dayane Santos UFG
  • Fabiana Ribeiro da Mata UFG

DOI:

https://doi.org/10.5216/ref.v7i2.11863

Resumo

Chagas fez o primeiro relato de parasitismo cerebral em pacientes chagásicos. A maior susceptibilidade em crianças tem sido observada. Este trabalho objetivou avaliar o parasitismo encefálico em ratos Holtzman, de 10 e 30 dias de idade sob infecção com baixo e alto número de tripomastigotas do Trypanosoma cruzi. Ratos holtzman machos de 10 e 30 dias de idade foram inoculados intraperitonealmente com 5 x 103 ou 2,5 x 104 tripomastigotas da cepa Y do T. cruzi. Os animais foram sacrificados aos 13 dias após inoculação sob anestesia por cloral hidratado, perfundidos com parafomaldeido em tampão fosfato a 4%. Fragmentos encefálicos foram processados para inclusão em paraplast ou glicol metacrilato. Secções de paraplast foram coradas com hematoxilina e eosina e as secções de resina coradas por azul de toluidina-orangeG-eritrosina. Imunohistoquímica foi realizada usando soro anti-T. cruzi de coelho e anticorpo IgG conjugado à peroxidase. O parasitismo encefálico foi discreto nos animais inoculados com 5 x 103 aos 10 ou 30 dias de idade, demonstrado por esparsos nódulos gliais. A inoculação de 2,5 x 104 induziu parasitismo encefálico mais intenso no grupo infectado aos 10 dias de idade. Áreas encefálicas desprovidas de barreira hematoencefálica apresentaram baixo parasitismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-09-28

Como Citar

DA MATA, J. R.; SANTOS, S. D.; DA MATA, F. R. PARASITISMO DO ENCÉFALO DE RATOS POR Trypanosoma cruzi. Revista Eletrônica de Farmácia, Goiânia, v. 7, n. 2, p. 8, 2010. DOI: 10.5216/ref.v7i2.11863. Disponível em: https://revistas.ufg.br/REF/article/view/11863. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais