Fitossociologia de macrófitas aquáticas associadas ao Rio Miranda, Pantanal, MS, Brasil

Autores

  • Carlos Rodrigo Lehn
  • Marcelo Leandro Bueno Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Botânica
  • Deborah Christiane Leite Kufner Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Botânica
  • Edna Scremin-Dias Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Departamento de Biologia
  • Vali Joana Pott Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Departamento de Biologia
  • Geraldo Alves Damasceno Junior Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Departamento de Biologia

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v8i2.12004

Palavras-chave:

Planta aquática, área úmida, ecologia vegetal, riqueza de espécies.

Resumo

Analisou-se quantitativamente uma comunidade de macrófitas aquáticas associada ao Rio Miranda, Pantanal, Mato Grosso do Sul utilizando dois métodos de amostragem: interseção linear e parcelas. Ao todo foram catalogadas 36 espécies, distribuídas em 31 gêneros e 20 famílias, sendo Poaceaea família com maior riqueza específica (5 spp.), seguida por Malvaceae (4), Asteraceae, Araceae, Convolvulaceae e Polygonaceae representadas por três espécies cada. Polygonum acuminatum foi a espécie que apresentou maior valor de importância (IVI) para ambos os métodos. O índice de diversidade de Shannon (H’) foi de 2,44 para o método da interseção linear e de 2,47 para o método das parcelas. Para ambos os métodos, a curva de rarefação demonstrou tendência à estabilização, indicando suficiência amostral. Os resultados obtidos foram similares para as duas metodologias, indicando ambas são apropriadas para estudos quantitativos com esta comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Rodrigo Lehn

Ciências Biológicas UNISINOS

Mestrado Biologia Vegetal UFMS

 

Referências

Adrianarivo, J. 1993. Using GIS to valuate the crown-line intercept sampling method in orest survey. Forest Ecology and Management Amsterdam 58:87-103.

Bove, C. P.; Gil, A. S. B.; Moreira, C. B.; Anjos, R. F. B. 2003. Hidrófitas fanerogâmicas de ecossistemas aquáticos temporários da planície costeira do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Botanica Brasilica 17: 119-135.

Costa, C. S. B.; Irgang, B.; Peixoto, A. R. & Marangoni, J. C. 2003. Composição florística das formações vegetais sobre uma turfeira topotrófica da planície costeira do Rio Grande do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasilica 17(2): 203-212.

Damasceno-Junior, G.A.; Pott, A. 2011. Métodos de Amostragem em estudos fitossociológicos sugeridos para o Pantanal. In: Felfili, J.M.; Eisenlohr, P.V.; Melo, M.M.R.F.; Andrade, L.A.; Meira-Neto, J.A.A.(Org.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa: Editora UFV: 295-323.

Esteves, F. A. 1998. Fundamentos de Limnologia. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 602p.

Frey, R. 1995. Flora and vegetation of “Las Piedritas” and the margin of Laguna Cáceres, Puerto Suárez, Bolivian Pantanal. Bulletin Torrey Botanical Club 122:314-319.

Hammer, Ø., Harper, D.A.T., and P. D. Ryan. 2001. PAST: Paleontological Statistics Software Package for Education and Data Analysis. Palaeontologia Electronica 4(1): 9pp.

Hamilton, S. K.; Sippel, S. J.; Melak, J. M. 1996. Inundation patterns in the Pantanal wetland of South America determined from passive microwave remote sensing. Archives of Hidrobiology 37: (1) 1-23).

Irgang, B. E., Pedralli, G., Waechter, J. I. 1984. Macrófitos aquáticos da Estação Ecológica do Taim, Rio Grande do Sul, Brasil. Rossléria, 6(1): 395-405.

Junk, W. J.; Piedade, M. T. F. 1993. Biomass and primary production of herbaceous plant communities in the Amazon floodplain. Hydrobiologia, 263: 155-162.

Köppen, W. 1948. Climatologia com um estúdio de los climas de la tierra. Ed. Fondo Cultura Econômica, Ciudad de México.

Meirelles, M. L.; Oliveira, R. C.; Ribeiro, J. F.; Vivaldi, L. J.; Rodrigues, L.A.; Silva, G. P. 2002. Utilização do método de interseção na linha em levantamento quantitativo do estrato herbáceo do cerrado. Boletim Herbário Ezechias Paulo Heringer 9:60-68.

Meirelles, M. L.; Guimarães A. J. M.; Oliveira, R. C.; Araújo, G. M.; Ribeiro, J. F. 2004. Impactos sobre o estrato herbáceo de áreas úmidas do Cerrado. In: Aguiar, L. M. S. Camargo, A. J. A. (Org.). Cerrado: ecologia e caracterização. 1 ed. Planaltina: Embrapa Cerrados 1: 41-68.

Mueller-Dombois, D.; Ellenberg. H. 1974. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Wiley. 547 p.

Munhoz, C. B.; Felfili, J. M. 2004. Composição florística do estrato herbáceo-subarbustivo em uma área de campo sujo na fazenda água limpa no Distrito Federal, Brasil. Boletim Herbário Ezechias Paulo Heringer 13:61-84.

Munhoz, C. B. 2006a. Fitossociologia do estrato herbáceo-subarbustivo de uma área de campo sujo no Distrito Federal, Brasil. Acta Botanica Brasílica 20(3):671-685.

Munhoz, C. B. 2006b. Floristics of the herbaceous and subshrub layer of a moist grassland in the Cerrado Biosphere reserve (Alto Paraíso de Goiás), Brazil. Edinburgh Journal of Botany 63: 343-354.

Munhoz, C. B. 2007. Florística do estrato herbáceo - subarbustivo de um campo limpo úmido em Brasília, Brasil. Biota Neotropica 7(3): 205-215.

Munhoz, C. B. 2008. Fitossociologia do estrato herbaceo-subarbustivo em campo limpo úmido no Brasil Central. Acta Botanica Brasilica, v. 22, p. 905-913, 2008.

Nemati, N.; Goetz, H. 1995. Relationships of overstory to understory cover variables in a Ponderosa pine/Gambel oak ecosystem. Plant Ecology 119(1): 15-21.

Pedrali, G. 1992. Macrófitos aquáticos: centros de diversidade. Ciência Hoje 14:(79) 56-57.

Pivari, M. O.; Pott, V. J.; Pott, A. 2008. Macrófitas Aquáticas de Ilhas Flutuantes (Baceiros) nas Sub-regiões do Abobral e Miranda, Pantanal, MS, Brasil. Acta Botanica Brasilica 22: 563-571.

Pott, V. J.; Bueno, N. C.; Pereira, R. A. C.; Salis, S. M.; Vieira, N. L. 1989. Distribuição de macrófitas aquáticas numa lagoa na fazenda Nhumirim, Nhecolândia, Pantanal, MS. Acta Botanica Brasilica 3(2) Supl.: 153-168.

Pott, V . J.; Bueno, N. C.; Silva, M. P . da. 1992. Levantamento florístico e fitossociológico de macrófitas aquáticas em lagoas da Fazenda Leque, Pantanal, Mato Grosso do Sul. Anais 8o Congresso da Sociedade Botânica de São Paulo (SBSP): 91-99.

Pott, V. J.; Cervi, A. C.; Bueno, N. C.; Pott, A. 1999. Dinâmica da vegetação aquática de uma lagoa permanente na fazenda Nhumirim, Pantanal da Nhecolândia – MS. In: Simpósio Sobre Recursos Naturais e Sócio Econômicos do Pantanal. Corumbá, Embrapa Pantanal 227-235.

Pott, V. J.; Pott, A. 2000. Plantas Aquáticas do Pantanal. Brasília: Embrapa, 404p.

Prado, D. E.; Gibbs, P . E.; Pott, A.; Pott, V . J. 1992. The Chaco-Pantanal transition in southern Mato Grosso, Brazil. In: Furley P. A.; Ratter, J. A. (eds.), Nature and dynamics of forest-savanna boundaries. – Chapman & Hall, London.

Salis, S. M. 2000. Fitossociologia da vegetação arbórea no entorno de uma lagoa no Pantanal Mato-grossense, Brasil. Naturalia 25:225-241.

Schessl, M. 1999. Floristic composition and structure os floodplain vegetation in the northern Pantanal of Mato Grosso, Brazil. Phyton 39 (2): 303-336.

Schulz, M.; Kozerski, H.P.; Pluntke, T.; Rinke, K. 2003. The influence of macrophytes on sedimentation and nutrient retention in the lower river Spree (Germany). Water Res., v.37, p.569-578.

Soriano, B. M. A. 1999. Caracterização climática da sub-região da Necolândia, Pantanal, MS. In Anais do II Simpósio sobre recursos naturais e sócio-econômicos do Pantanal (M. Dantas, J. B. Catto & E. K. Resende, coords.) Embrapa Pantanal, Corumbá, p:151-158.

Tansley, A. G.; Chipp, T. F. 1926. Aims and methods in study of vegetation. London: British Empire Veg Chee and Crown Agents for the Colonies. 383p.

Thomaz, S.M & Bini, L.M. 2003. Análise crítica dos estudos sobre macrófitas aquáticas desenvovidos no Brasil. In: S.M. Thomaz & L.M. Bini (Eds.). Ecologia e manejo de macrófitas aquáticas. Editora da Universidade Estadual de Maringá, Maringá. pp. 19-38.

Wolf, J. D. 1998. Species composition and structure of woody vegetation of the Middle Casamance region (Senegal). Forest Ecology and Management, Amsterdam 111:249-264.

Downloads

Publicado

21-12-2012

Como Citar

LEHN, C. R.; BUENO, M. L.; KUFNER, D. C. L.; SCREMIN-DIAS, E.; POTT, V. J.; DAMASCENO JUNIOR, G. A. Fitossociologia de macrófitas aquáticas associadas ao Rio Miranda, Pantanal, MS, Brasil. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 8, n. 2, p. 23–31, 2012. DOI: 10.5216/rbn.v8i2.12004. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/12004. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos