Ma Vie en Rose: Identidade, corpo e gênero no cinema Francês contemporâneo DOI10.5216/o.v8i10.9294

  • Adair Marques Filho Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB) e Universidade Estadual de Goiás/Unidade de Trindade
  • Flávio Pereira Camargo Universidade Estadual de Goiás/Unidade de Campos Belos

Resumo

Através deste artigo buscamos analisar, a partir da leitura do filme Ma vie en rose, as imagens sobre ser masculino e ser feminino em nossa sociedade e como são tratados os sujeitos que ousam ficar na fronteira entre os gêneros. Apreender a partir das cenas do filme, algumas questões que giram em torno dos trangenders, possibilitando, ao mesmo tempo, espaço para discussões sobre diversidade sexual e espaços limítrofes do corpo, assim como a transgressão dos papéis rígidos desempenhados pelos gêneros. Palavras-chave: Ma vie en rose, transgenders, gênero e cultura, teoria queer, estética camp.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adair Marques Filho, Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB) e Universidade Estadual de Goiás/Unidade de Trindade
Mestre em Cultura Visual pela Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás. Professor dos Cursos de Tecnologia em Design de Moda do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB) e da Universidade Estadual de Goiás/Unidade de Trindade. E-mail: dadomarx@yahoo.com.br
Flávio Pereira Camargo, Universidade Estadual de Goiás/Unidade de Campos Belos
Doutorando em Literatura pelo Departamento de Teoria Literária e Literaturas da Universidade de Brasília. Mestre em Estudos Literários pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás. Professor de Literatura Brasileira no Curso de Letras da Universidade Estadual de Goiás/Unidade de Campos Belos. E-mail: camargolitera@gmail.com
Publicado
27-03-2010
Como Citar
Marques Filho, A., & Camargo, F. (2010). Ma Vie en Rose: Identidade, corpo e gênero no cinema Francês contemporâneo DOI10.5216/o.v8i10.9294. OPSIS, 8(10), 78-98. https://doi.org/10.5216/o.v8i10.9294
Seção
Dossiê Cultura e Identidades