ILUSTRES ANÔNIMOS: IMPRENSA, INTELECTUAIS E A CIRCULAÇÃO DE IDEIAS EM MATO GROSSO (1880-1920)

Autores

  • Adriana Aparecida Pinto UFGD

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v19i1.54903

Palavras-chave:

Imprensa Periódica, intelectuais mediadores, jornais, Mato Grosso

Resumo

Por meio da investigação histórica, o presente artigo indica possibilidades de análise da imprensa periódica de circulação geral, no que diz respeito à compreensão do papel dos intelectuais em um cenário comum – a configuração cultural do território mato-grossense entre os anos de 1880 a 1920. Parte-se da premissa que a imprensa deve ser colocada ao lado dos progressos materiais indicativos da modernidade,  que gradativamente chegaram ao território a partir da segunda metade do século XIX. Os jornais mato-grossenses difundiram os ideais das instâncias políticas e do poder, representados pelas famílias tradicionais, que se alternavam no poder e se ramificavam pelas municipalidades. No entanto, os jornalistas, categoria fluída em termos profissionais, desfrutavam de legitimidade social, pois se vinculavam à produção, circulação e divulgação de valores (MICELI, 2001), sendo também formadores de opinião e, na concepção que orienta este texto, intelectuais-mediadores/medidores culturais. Interessa discutir como profissionais de áreas distintas constituíram-se como editores, colaboradores, articulistas, integrando a categoria de intelectuais, partindo de uma conceituação proposta por Jean-François Sirinelli (1998, 2003).

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Aparecida Pinto, UFGD

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1997), mestrado em Pós Graduação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e doutorado em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2013). Atualmente realiza Estágios de Pós Doutorado em História na Universidade Estadual Paulista (2018). Atuou na Coordenação Pedagógica em Instituições de ensino na Educação Básica, no Paraná. Atuou por 8 anos na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), campus de Coxim, nas disciplinas de Estágio supervisionado e prática de ensino. Atualmente é docente do curso de História da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e do Programa de Pós Graduação em História da mesma Universidade. Tem experiência na área de Educação, na orientação e supervisão de estágios voltados à formação dos professores de licenciatura, e no campo da pesquisa desenvolve estudos também em História da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino de história, história da educação e imprensa periódica de circulação geral e educacional.

Referências

FONTES

A Provincia de Matto Grosso. Edições de 1880 a 1890. Arquivo Público do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: APMT, 2010.

O Brazil. Edições de 1900 a 1910. Corumbá. Arquivo Público do Estado de Mato Grosso (Cuiabá), 2010.

O Corumbaense. Edições de 1880 a 1890. Corumbá. Arquivo Público do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: APMT, 2010.

O Matto Grosso. Edições de 1890 a 1920. Cuiabá. Arquivo Público do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: APMT, 2010.

Republicano. Edições de 1890 a 1920. Cuiabá. 2010. Arquivo Público do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: APMT, 2010; Arquivo Público do Estado de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: APE-MS, 2011.

O Expectador. Edições de 1880 a 1890. Cuiabá. 2010. Arquivo Público do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: APMT, 2010; Arquivo Público do Estado de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: APE-MS, 2011.

Oasis. Edições de 1880 a 1900. Corumbá. Arquivo Público do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: APMT, 2010.

Autonomista. Edições de 1900 a 1910. Corumbá. Arquivo Público do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: APMT, 2010.

A Reacção. Edições de 1909 a 1912. Corumbá. Arquivo Público do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: APMT, 2017.

Downloads

Publicado

2019-10-04

Como Citar

PINTO, A. A. ILUSTRES ANÔNIMOS: IMPRENSA, INTELECTUAIS E A CIRCULAÇÃO DE IDEIAS EM MATO GROSSO (1880-1920). OPSIS, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 1–18, 2019. DOI: 10.5216/o.v19i1.54903. Disponível em: https://revistas.ufg.br/Opsis/article/view/54903. Acesso em: 7 jul. 2022.