“Como me veem?”, “como eu me vejo?”: um olhar audiovisual para o reconhecimento da identidade do adolescente DOI10.5216/o.v15i1.34718

  • Eliana Rela Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS
  • Caroline Dall’Agnol Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS
Palavras-chave: Subjetividade, Identidade, Estereótipo, Reconhecimento

Resumo

O artigo tem por objetivo apresentar o seguinte estudo: “‘Como me veem?’, ‘Como eu me vejo?’: análise do olhar audiovisual como reconhecimento da identidade do adolescente”. Apresenta como finalidade o desenvolvimento sistematizado de uma metodologia, com o uso do audiovisual, para o ensino de História. Dentre os diversos contextos que cercam o adolescente, o das comunidades carentes é o que nos motiva como pesquisadoras. No entanto, é importante deixar claro que a metodologia pode ser aplicável em qualquer contexto. Assim, a pesquisa se debruça sobre as diversas formas de escutar o aluno, dentre elas: por meio da produção de vídeo. Como o adolescente reconhece sua identidade diante dos estigmas instituídos ao seu redor? Como romper com os estereótipos que classificam moradores de zonas periféricas? Quem nos guia para abordar essas respostas são os teóricos Honneth (2003), Martín-Barbero e Gérman Rey (2004), Bourdieu (2010; 1974; 1983; 1972), Tomaz Tadeu Silva (2005) e Goffman (1988).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliana Rela, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS
Professora Doutora em Educação, mestre em História, integrante do corpo docente do Mestrado Profissional de História da UCS.
Caroline Dall’Agnol, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS
Mestranda do Mestrado Profissional em História da Universidade de Caxias do Sul, graduada em Comunicação Social, Habilitação em Jornalismo pela mesma universidade.

Referências

ALVES, Fernando Alberto Pinho. Educação para os media: As imagens como pedagogia socialmente integradora. Dissertação (Mestrado em Educação Artística) - Universidade de Lisboa Faculdade de Belas Artes, Portugal, 2008. Disponível: http://repositorio.ul.pt/handle/10451/646>. Acesso em: 09 de nov. 2013.

ANDRÉ, Hendryo Anderson. Venda nos olhos, legendas e iniciais: a notícia televisiva como ferramenta de estigmatização e invisibilidade social. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Federal do Paraná, 2012. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/27521/R%20-%20D%20 %20ANDRE,%20HENDRYO%20ANDERSON.pdf?sequence=1>. Acesso em: 10 de mai. 2014.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio d´água, 1981.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

_______. A economia das trocas simbólicas. Introdução, organização e seleção de Sérgio Miceli. São Paulo: Perspectiva, 1974.

_______. Sociologia. Organização de Renato Ortiz. São Paulo: Ática, 1983.

_______.Esquisse d’une théorie de la pratique: precede de trois etudes d’ethnologie kabyle. Paris: Seuil, 1972.

CHRISTOFOLETTI, Rogério. Ver, olhar, observar. In: CHRISTOFOLETTI, Rogério; MOTTA, Luiz Gonzaga. Observatórios de mídia: olhares de cidadania. São Paulo: Paulus, 2008.

DEBORD, Guy. A Sociedade do espetáculo. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contrapondo, 1997.

DEELY, John. Semiótica básica. Tradução de Julio C. M. Pinto. São Paulo: Editora Ática, 1990.

_____. Introdução à semiótica: história e doutrina. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.

FERRO, Marc. Cinema e história. Tradução de Flávia Nascimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1922.

GODOI, Christiane Kleinübing; MATTOS, Pedro Lincoln C.P.. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: GODOI. C. K.; MELLO, Rodrigo Bandeira de.; SILVA, Anielson Barbosa da. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigma, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006. p. 301-323.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1988.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Trad. de Luiz Repa. São Paulo: Editora 34, 2003.

KARNAL, Leandro. Ainda apocalípticos e integrados. In: _______; KARNAL, Rose (Colaboradora). Conversas com um jovem professor. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

MARTÍN-BARBERO, Jesús; REY, Germán. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. Tradução de Jacob Gorender. 2. Ed. São Paulo / SENAC: São Paulo, 2004.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria da comunicação: idéias, conceitos e métodos. Petrópolis: Vozes, 2009.

MORAES, Roque. Construindo quebra-cabeças: aprendizagem e comunicação no processo de categorização. Porto Alegre: PGEDUC-PUCRS, 2001. Mimeografado.

NETTO, J. Teixeira Coelho. Semiótica, informação e comunicação: diagrama da teoria do signo. São Paulo: Perspectiva, 1999.

NÓVOA, Jorge; BARROS, José D’Assunção. Apologia da relação cinema-história. In: _____ . Cinema-história: teorias e representações sociais no cinema. 3. ed. Rio de Janeiro: Apicuri, 2012.

PEREIRA, Marcos Emanoel. Psicologia social dos estereótipos. São Paulo: E.P.U., 2002.

PIETTE, Jacques. Education aux médias et fonction critique. Paris: L’Harmattan, 1996.

PINTO, Manuel et al. (Coord.). Educação para os media em Portugal: experiências, actors e contextos. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho: Entidade Reguladora para Comunicação Social, 2011. Disponível em: http://www.erc.pt/download/YToyOntzOjg6ImZpY2hlaXJvIjtzOjM4OiJtZWRpYS9lc3R1ZG9zL29iamVjdG9fb2ZmbGluZS80Mi4xLnBkZiI7czo2OiJ0aXR1bG8iO3M6NTA6ImVzdHVkby1lZHVjYWNhby1wYXJhLW9zLW1lZGlhLWVtLXBvcnR1Z2FsLXZlcnNhby1wIjt9/estudo-educacao-para-os-media-em-portugal-versao-p>. Acesso em: 03 nov. 2013.

ROSA, Isabel Santos da Silva. Educação para os media, pensamento crítico e produção de video. Dissertação (Mestrado em Comunicação Educacional) - Universidade Aberta, Portugal, 2000. Disponível em: <http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/646/2/18090__18089_pdf_index.html>. Acesso em: 13 ago. 2014.

SALVADORI, Mateus. HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento. Revista Conjectura, Caxias do Sul, v. 16, n. 1, jan./abr. 2011 189 p.

SANTOS, Milton. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: F. Alves, 1979.

SETTON, Maria da Graça Jacintho. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação. Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, n. 20, 2002.

SILVA, Tomaz Tadeu da. (org. e trad.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2005.

SOUZA, Jessé. (org.). A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2006.

WEISSHEIMER, Marco Aurélio. Violência e desigualdade social: o tamanho do problema, 2006. Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=11285>. Acesso em: 5 set. 2014.

SITES

BRASIL. Ministério da Educação. TV escola, canal de educação, Oficina de Produção de Vídeo. Disponível em:<http://curtahistorias.mec.gov.br/images/pdf/dicas_producao_videos.pdf>. Acesso em: 2 jul. 2014.

INSTITUTO CLARO. Miniguia de produção e vídeos de curtíssima metragem. Disponível em:. Acesso em: 2 jul. 2014.

SECRETARIA DE ESTADO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL (Sergipe). Manual Básico de vídeo, mídia jovem. Disponível em: <http://www.midiajovem.se.gov.br/arquivos/94/manual_de_video_final_web.pdf>. Acesso em: 2 jul. 2014.

Publicado
02-04-2015
Como Citar
Rela, E., & Dall’Agnol, C. (2015). “Como me veem?”, “como eu me vejo?”: um olhar audiovisual para o reconhecimento da identidade do adolescente DOI10.5216/o.v15i1.34718. OPSIS, 15(1), 70-87. https://doi.org/10.5216/o.v15i1.34718
Seção
Dossiê Ensino de História e formação docente: pesquisas sobre o Ensino de História