O narrador polifônico e o Brasil alegórico em Quincas Borba, de Machado de Assis: um diálogo entre Mikhail Bakhtin e Roberto Schwarz DOI 10.5216/o.v11i2.14868

Autores

  • Carina Dartora Zonin Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

DOI:

https://doi.org/10.5216/o.v11i2.14868

Palavras-chave:

método formal, relações sócio-históricas, identidade nacional, polifonia, efeitos de sentido.

Resumo

Neste estudo, observaremos, na voz do narrador de Quincas Borba, a abstração de mecanismos internos e ativos da cultura brasileira, à luz da polifonia de Bakhtin, em diálogo com Schwarz, estudioso do princípio formal e formativo de Machado. Assim, através do embate das premissas polifônico-schwarzianas, refletiremos, criticamente, sobre a representação alegórica do Brasil, do sujeito e de suas crenças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carina Dartora Zonin, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

Possui graduação em Letras, habilitação em Português, Espanhol e respectivas Literaturas pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI Campus de Erechim (2003). Durante o curso, atuou em projetos de pesquisa com o amparo de bolsa de Iniciação Científica. Cursou especializações em Estudos Lingüísticos do Texto (2005), Literatura Brasileira (2008) e atualmente (2009) realiza mestrado em Literatura Brasileira na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, com apoio de bolsa do CNPq. Estuda os princípios, dialógico e polifônico, de Bakhtin e sua releitura feita por Cristóvão Tezza, procurando entender os discuros da prosa e da poesia como instâncias que revelam tensões sócio-históricas.

Downloads

Publicado

2011-12-31

Como Citar

ZONIN, C. D. O narrador polifônico e o Brasil alegórico em Quincas Borba, de Machado de Assis: um diálogo entre Mikhail Bakhtin e Roberto Schwarz DOI 10.5216/o.v11i2.14868. OPSIS, Goiânia, v. 11, n. 2, p. 115–134, 2011. DOI: 10.5216/o.v11i2.14868. Disponível em: https://revistas.ufg.br/Opsis/article/view/14868. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Cultura, imaginário e poder