EFEITOS DA ADMINSTRAÇÃO DO MIDAZOLAM EM DOSES DIFERENTES EM JIBOIAS Boa constrictor LINNAEUS, 1758 (SQUAMATA: BOIDAE)

Simone Borges Salgueiro De Simone, Líria Queiroz Luz Hirano, André Luiz Quagliatto Santos

Resumo


Objetivou-se comparar os efeitos de duas doses de midazolam em Boa constrictor. Utilizaram-se 20 jiboias, divididas em dois grupos. O grupo 1 (G1), composto por dez animais, recebeu 1 mg/kg de midazolam e o grupo 2 (G2), também com dez animais, 2 mg/kg, pela via intracelomática. Os animais do G1 apresentaram déficit de tônus da cabeça, tônus muscular, manipulação e locomoção por 3,89 ± 1,18 horas e os representantes do G2 por 5,47 ± 2,08 horas. Nenhuma jiboia, em ambos os grupos, manifestou ausência de reação postural de endireitamento ou alcançaram sedação profunda; entretanto, observou-se redução da agressividade, intenso relaxamento muscular e uma dificuldade de serpentear em todos os exemplares. O tempo de retorno às condições pré-sedativas foi de 4,65 ± 1,22 horas para o G1 e de 6,2 ± 2,37 horas para o G2. Não foram observadas diferenças significativas nas avaliações da frequência cardíaca e respiratória entre os grupos. Concluiu-se assim que 1 mg/kg de midazolam provoca nas jiboias o mesmo efeito que 2 mg/kg, porém na menor dose o tempo de recuperação é menor, podendo ser utilizado para a contenção farmacológica de Boa constrictor, ou em associações que visem um efetivo relaxamento muscular. 
Palavras-chave: benzodiazepínico; contenção farmacológica; répteis; serpentes.

 


Palavras-chave


Anestesiologia, Clínica e cirurgia de animais silvestres

Texto completo:

PDF PDF English HTML




Logotipo do IBICT


Visitantes: contador de visitas