PỲNHE. DOI: 10.5216/racs.v1i1.43039

Jonas Polino Sansão

Resumo


Eu orientei os professores para que eles pesquisassem a si mesmos. As
perguntas orientadoras foram: Quem deu nome para eles ou elas? Nas
festas cerimoniais a qual partido cada indivíduo pertence? Quais as
pessoas devem respeitar? Também identificar quem são os parentes?
Pois cada um pesquisou a si mesmo explicando quem ele ou ela é.
Era para os professores ou professoras fazerem as pesquisas com a
comunidade toda. Mas eu como orientador pedi que eles ou elas
escrevessem sobre eles mesmos. Nessa pesquisa foram descobertos
nome próprio e nome usado como apelido. Pois pensamos que
não há apelido e tem bastante. Ao pesquisarem sobre si mesmo,
foram reveladas suas redes de relações com a comunidade, como
compadre, comadre, as festas que participam, quais as pinturas que
usam, consideração com os mais velhos, a sogra, o sogro, o genro, a
nora etc.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5216/racs.v1i1.43039

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicado por: Núcleo Takinahakỹ de Fomação Superior Indígena – Universidade Federal de Goiás

Endereço: Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena – Faculdade de Letras Universidade Federal de Goiás

Caixa Postal 131 – Campus II – 74001-970

Goiânia – GO (62) 3521-1866