ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO MANOEL JOÃO, PORTO NACIONAL (TO)

Lucas Lima Moreira, Ricardo Ribeiro Dias

Resumo


O presente estudo teve por objetivo caracterizar a morfometria da bacia do córrego Manoel João. Os parâmetros avaliados foram Ordem da bacia, Comprimento do rio principal, Gradiente de Canais (Gc), Área da bacia (A), Índice de circularidade (Ic), Densidade de rios (Dr), Densidade de drenagem (Dd), Coeficiente de Manutenção (Cm), Amplitude altimétrica máxima (Hm) e Relação de relevo (Rr). Foram utilizados como base de dados o MDE disponibilizado pelo projeto TOPODATA, a base cartográfica digital contínua da Seplan/TO, e dados do levantamento de uso e cobertura do solo realizado por Santos (2015) na mesma área de estudo. Os dados foram processados e analisados por meio dos softwares Google Earth eArcGIS. De acordo com os resultados a bacia é de 3ª ordem, conforme Strahler, e possui área inferior a 100 km², refletindo diretamente os efeitos do uso da terra. Os valores de Dd, Dr e Cm evidenciam um sistema de drenagem pouco desenvolvido. A Rr e declividade expressam relevo suave ondulado, e o valor de Ic atribui à bacia forma alongada, com menor risco de ocorrência de enchentes.


Texto completo:

PDF

Referências


CAMPOS, S.; FELIPE, A. C.;CAMPOS, M.;RECHE, A. M. Geoprocessamento aplicado na caracterização morfométrica da microbacia do ribeirão descalvado–Botucatu, SP. Irriga, v. 1, n. 1, p. 52, 2015.

CALIJURI, M.C.; BUBEL, A.P.M. Conceituação de Microbacias. In:LIMA, W de P.; ZAKIA, M.J.B. (Orgs.) As florestas plantadas e a água.Implementando o conceito da microbacia hidrográfica como unidade deplanejamento. São Carlos: Ed. RiMA, 2006. 226p.

CARDOSO, C. A.; DIAS, H. C. T.; SOARES, B. C. P.; MARTINS, S. V. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do Rio Debossan, Nova Friburgo-RJ. Revista Árvore. Viçosa-MG, v.30, n.2, p.241-248, 2006.

CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blucher, 1980.

COLLARES, E. G. Avaliação de alterações em redes de drenagem de microbacias como subsídio ao zoneamento geoambiental de bacias hidrográficas: aplicação na bacia hidrográfica do rio Capivari-SP. Tese de Doutorado - Escola de Engenharia de São Carlos. Universidade de São Paulo. 194p. 2000.

COSTA, S. B.; PASSOS, M. M.; SOUZA FILHO, E. E. A análise morfométrica da bacia hidrográfica do córrego Água da Marilena: uma contribuição para à gestão ambiental das bacias hidrográficas do extremo noroeste do estado do Paraná. Revista Geonorte, v. 5, n. 23, p. 1-6, 2016.

CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL (Org.). Carta Geológica do Brasil ao Milionésimo: Tocantins. 2004. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2016.

DPZE, Diretoria de Pesquisa e Zoneamento Ecológico-Econômico (Org.). Perfil Socioeconômico dos municípios do Tocantins. Porto Nacional: Seplan, 2013.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISAAGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Serviço Nacionalde Levantamento e Conservação de Solos (Rio deJaneiro, RJ). In: reunião técnica delevantamento de solos, 10.1979, Rio de Janeiro. Súmula… Rio de Janeiro,1979. 83 p. (EMBRAPA-SNLCS. Micelânea, 1).

FAUSTINO, J. Planificación y gestión de manejo de cuencas. Turrialba:CATIE, 1996. 90p.

FRANCO, A. C. V.; DAL SANTO, M. A.Contribuição da morfometria para o estudo das inundações na sub-bacia do rio Luís Alves/SC. Mercator (Fortaleza), v. 14, n. 3, p. 151-167, 2015.

GEORGIN, J.; OLIVEIRA, G. A.; DA ROSA, A. L. D. Estudo comparativo de índices morfométricos relacionado com cheias nas bacias hidrográficas do alto Jacuí e Vacacaí-Vacacaí Mirim–RS. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 19, n. 2, p. 1357-1364, 2015.

GUERRA, A. J.T. Processos erosivos nas encostas. In:GUERRA, A. J.T. & CUNHA, S.B., organizadores.Geomorfologia: uma atualização de base e conceitos. Rio deJaneiro, Bertrand Brasil, 1995. 2a ed. p. 149-209.

HORTON, R.E. Erosional development of streams and their drainage basins: hidrophysical approach to quantitative morphology. Bulletin of the Geological Society of America. 56:275-370, 1945.

INPE (Org.). TOPODATA: Banco de Dados Geomorfométricos do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2015.

LORENZON, A. S.; FRAGA, M. de S.; MOREIRA, A. R.; ULIANA, E. M.; SILVA, D. D. da; RIBEIRO, C. A. A. S.; BORGES, A. C. Influência das características morfométricas da bacia hidrográfica do RioBenevente nas enchentes no município de Alfredo Chaves-ES. Revista Ambiente & Água, v. 10, n. 1, p. 195, 2015.

MACHADO, R. A. S.; LOBÃO, J. S. B.; VALE, R. M. C.; SOUZA, A. P. M. J Análise morfométrica de bacias hidrográficas como suporte a definição e elaboração de indicadores para a gestão ambiental a partir do uso degeotecnologias. In: XV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 15., 2011, Curitiba. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto.Curitiba: Inpe, 2011. p. 1441 - 1448.

NARDINI, R. C.; CAMPOS, S.; GOMES, L. N.; RIBEIRO, F. L.; PISSARRA, T. C. T.; CAMPOS, M. Técnicas de geoprocessamento para análise morfométrica da microbacia do Ribeirão Alto Água Fria–Bofete (SP). Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas, v. 10, n. 2, p. 170-180, 2016.

ROCHA, R. M.; LUCAS, A. A. T.; ALMEIDA, C. A. P.; NETO, E. L. M.; NETTO, A. O. Caracterização morfométrica da sub-bacia do rio Poxim-Açu, Sergipe, Brasil. Revista Ambiente & Água, v. 9, n. 2, p. 276, 2014.

RUFO, R. L. T.; CRISTO, S. S. V.D. Sensoriamento remoto aplicado na análise do uso e ocupação da bacia hidrográfica do Córrego Titira, Porto nacional, Tocantins. Revista Interface (Porto Nacional), n. 07, 2014.

SANTOS, H. G.D.; ZARONI, M. J. Latossolos. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2016.

SANTOS, T. T.D. Análise multitemporal da cobertura e uso da terra na microbacia do Córrego Manoel João – Porto Nacional / Brejinho de Nazaré (TO). 2015. 44 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2015.

SCHUMM, S. A. Evolution of drainage systems and slopes in badlands of Perth Amboy. Geological Society of America Bulletin, v.67, n.5, p.597-646, 1956.

SILVA, J. L.; TONELLO, K. C.Morfometria da bacia hidrográfica do Ribeirão dos Pinheirinhos, Brotas–SP. Irriga, v. 19, n. 1, p. 103, 2014.

SOUZA, P. A. B.D.; BORGES, R. S. T.; DIAS, R. R. (Org.). Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial.6 ed. Palmas: Seplan, 2012.

STRAHLER, A.N. Hypsometric analysis of erosional topography. Bulletin of the Geological Society of America, 63:111-1141, 1952.

TOCANTINS.SEPLAN. (Org.). Base Cartográfica Digital Contínua. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2016.

TONELLO, K. C.;DIAS, H. C. T.; SOUZA, A. L.; RIBEIRO, C. A. A. S.; LEITE, F. P. Morfometria da bacia hidrográfica da Cachoeira das Pombas, Guanhães - MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 5, Out.2006.

VALLE JUNIOR, R. F.D.Diagnóstico de áreas de risco de erosão e conflito de uso dos solos na bacia do rio Uberaba. 2008. 233 f. Tese (Doutorado) - Curso de Agronomia (produção Vegetal), Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias – Unesp, Jaboticabal, 2008.

ZANATA, M.;PISSARRA, T. C. T.; ARRAES, C. L.; RODRIGUES F. M.; CAMPOS, S. Influência da escala na análise morfométrica de microbacias hidrográficas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, v. 15, n. 10, p.1062-1067, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5216/revgeoamb.v0i27.40074

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 

REVISTA INDEXADA EM: | GeoDados | Latindex | PKP Open Archives Harvester |sumarios.org|e-Revistas| LiVre!|DOAJ 

 

Resultado de imagem para imagens cnpq

 

APOIO

Portal de Periódicos Eletrônicos da Universidade Federal de Goiás.

Programa de Apoio às Publicações Periódicas Científicas da UFG (PROAPUPEC).

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal de Goiás.

 

CONTATO/ENDEREÇO

Universidade Federal de Goiás

Campus Jataí - Unidade Riachuelo - Coordenação de Geografia

Rua Riachuelo, nº 1.530, Setor Samuel Graham - Jataí-GO – Caixa Postal - 03, CEP-75804-020

Fone: (64)3606-8136

E-mail: geoambienteonline@yahoo.com.br