Sentimentos dos filhos ao vivenciarem o adoecimento dos pais

Julia Wakiuchi, Aline Lima Ribeiro, Gabriella Michel dos Santos Benedetti, Maria de Fátima Garcia Lopes Merino, Sonia Silva Marcon, Catarina Aparecida Sales

Resumo


Objetivou-se apreender as vivências de crianças que experienciam o adoecimento de seus pais por câncer. Estudo descritivo de abordagem qualitativa, com seis crianças entre 10 e 12 anos incompletos de idade, filhos de pacientes com câncer atendidos por uma instituição de apoio. Os dados foram coletados entre julho e agosto de 2015, a partir da questão norteadora: “Como você se sente com a doença do seu pai/mãe?”. Da análise emergiram duas categorias: Reconhecendo a doença e a possibilidade da morte dos pais e, Crescendo como criança e vivendo como adulto: as repercussões do câncer dos pais na vida dos filhos, que revelam que as crianças compreendem o câncer e a possibilidade da morte de seus pais, sendo também afetados pela doença que adentra seu lar. Conclui-se que, vivenciando os temores e repercussões do câncer, as crianças devem ser acompanhadas pela família e equipe de saúde durante o adoecimento dos pais.


Palavras-chave


Neoplasias; Criança; Poder Familiar; Enfermagem Pediátrica; Pesquisa Qualitativa

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v18.41543

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons A Revista Eletrônica de Enfermagem está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Logotipo do Ibict