Qualidade de vida e fragilidade entre idosos hospitalizados

Pedro Martins Faria, Flavia Aparecida Dias, Nayara Paula Fernandes Martins Molina, Janaína Santos Nascimento, Darlene Mara dos Santos Tavares

Resumo


Objetivou-se comparar a qualidade de vida dos idosos hospitalizados segundo o status de fragilidade. Trata-se de um estudo observacional, analítico, transversal, com 255 idosos hospitalizados, no interior de Minas Gerais. Utilizaram-se: instrumento estruturado para os dados socioeconômicos e clínicos, fenótipo de fragilidade de Fried, WHOQOL-BREF e WHOQOL-OLD. Realizou-se análise descritiva e teste Anova-F (p<0,05). Independente do status de fragilidade prevaleceu o sexo masculino, 60├70 anos, casados, que residiam acompanhados e possuíam renda individual de um salário mínimo. Para escolaridade, entre os frágeis predominou de 1├4 anos de estudo; para os pré-frágeis e não-frágeis, 4├8 anos. Os frágeis apresentaram: escores significativamente inferiores nos domínios físico e meio ambiente e faceta participação social, comparados aos demais, e; escore significativamente inferior na faceta funcionamento dos sentidos em relação aos pré-frágeis. Ressalta-se a importância de direcionar ações em saúde direcionadas aos itens mais impactados dentre aqueles com fragilidade.

Palavras-chave


Qualidade de Vida; Idoso Fragilizado; Hospitalização

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v18.38214

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons A Revista Eletrônica de Enfermagem está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Logotipo do Ibict