A enfermagem no manejo da dor em unidades de atendimento de urgência e emergência

Paulo Eduardo Pires de Oliveira, Lilian Varanda Pereira, Nilde Resplandes Santos, Layz Alves Ferreira Souza

Resumo


A enfermagem deve manejar a dor no atendimento em urgência e emergência, baseando-se em evidências científicas, mas isso parece apresentar obstáculos. Objetivou-se identificar e analisar as estratégias de manejo da dor e as barreiras para sua utilização entre as categorias profissionais da enfermagem nos serviços de urgência e emergência. Revisão integrativa, com buscas no LILACS, SciVerse Scopus, PUBMED e na literatura cinzenta do Google acadêmico. Foram selecionados 15 artigos publicados entre 2012 e 2015.  A enfermagem avaliou as características da dor por meio de anamnese e uso de instrumentos. As intervenções restringiram-se prioritariamente às farmacológicas, apontando a necessidade de associá-las às não farmacológicas. A monitorização da dor ainda é incipiente. Os profissionais necessitam avançar no uso de instrumentos válidos para avaliação, intervenção e monitoramento da dor, com o propósito de vencer as barreiras que profissionais, clientes e gerentes das unidades de urgência e emergência encontram para sistematizar o seu manejo.


Palavras-chave


Enfermagem em Emergência; Dor; Manejo da Dor

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v18.37309

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons A Revista Eletrônica de Enfermagem está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Logotipo do Ibict