Conhecimento e atitude dos profissionais de enfermagem sobre avaliação e tratamento da dor neonatal

Iana Mundim de Oliveira, Thaíla Corrêa Castral, Marcela Maria Faria Peres Cavalcante, Julyana Calatayud Carvalho, Mariana Firmino Daré, Ana Karina Marques Salge

Resumo


Objetivo do estudo foi verificar o conhecimento e atitude dos profissionais de enfermagem de uma unidade neonatal quanto à avaliação e tratamento da dor aguda em recém-nascidos. Estudo descritivo exploratório realizado com 26 profissionais de enfermagem de uma unidade neonatal no Centro-Oeste, Brasil. A maioria dos profissionais identificou ao menos uma escala de avaliação da dor neonatal (76,9%). As estratégias para alívio da dor selecionadas pelos profissionais foram diminuição de ruído e luminosidade (84,6%), posição canguru (76,9%) e colo (76,9%). Menos da metade (28,0%) dos profissionais afirmou registrar sempre ou frequentemente o escore de dor no plantão, e 64,0% referiu utilizar estratégias de alívio da dor. A maioria dos profissionais demonstrou conhecimento quanto ao manejo da dor, apesar de existirem lacunas. A aplicação das escalas e medidas de alívio da dor mostrou-se inadequada, seja pelo pouco uso, não utilização da melhor evidência disponível ou falta de registro.

Palavras-chave


Recém-Nascido; Dor Aguda; Unidades de Terapia Intensiva Neonatal; Enfermagem Neonatal

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v18.36782

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons A Revista Eletrônica de Enfermagem está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Logotipo do Ibict